Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo questionamentos

O medo das diferenças

“... Lekh me entregava um pássaro pintado, mandando que eu o apertasse de leve nas mãos. Cedo seus gritos atraíam companheiros da mesma espécie, que se punham a revoar sobre nossas cabeças. Vendo-os, o prisioneiro debatia-se gritando ainda mais; e o coração trancado no peito recém pintado batia violentamente. Quando o número de pássaros era suficiente, Lekh fazia-me sinal para soltar o prisioneiro. Livre e feliz, lançava-se para o alto, contra o céu cinzento, mergulhando na revoada escura de seus irmãos. Por um instante, a surpresa tolhia os pássaros. A mancha colorida voava em meio ao bando, tentando convencê-los de que lhe pertencia. Mas, confundidos pela plumagem brilhante, os outros o rodeavam incrédulos e quanto mais o pássaro pintado tentasse incorporar-se ao bando, mais o rejeitavam. Logo, um depois o outro, começavam a atacá-lo arrancando-lhe as penas multicores, até fazer-lhe perder as forças precipitando-o ao chão. Esses incidentes aconteciam com freqüência, e, geralme

Identidades engessadas

"É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo." Clarice Lispector Quantas vezes por dia é capaz de permitir o auto questionamento? Consegue estabelecer um diálogo interno? Ou se sente completamente dono de toda razão ou princípio? Conhecer ou reconhecer a própria identidade é um exercício que exige honestidade e mente flexível. Mas entenda-se que um diálogo interior não pode submeter-se à enxurrada de pensamentos que, invariavelmente, invadem a mente. Reserve poucos minutos de cada dia para que possa silenciar sua mente. Isso é importantíssimo, afinal uma mente conturbada e inundada em pensamentos pode irromper emoções angustiantes. À medida que você consegue coordenar esse processo mental, será capaz de quebrar paradigmas e ganha a oportunidade de novos aprendizados e idéias. Obviament

Quanto tempo?

Hoje, 05 de Junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente.  A data foi instituída pela Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) em 1972, época em que os problemas ambientais não tinham o impacto que têm hoje.  Com esse desastre ambiental que acomete a região do Golfo do México, exterminando toda a fauna e flora local, acabando com o ecossistema da região através da maré negra, deve ser feito o seguinte questionamento: Quanto tempo ainda vai levar para o ser humano acabar com todo o planeta?

Íntimos caminhos

"Somos quem não somos e a vida é pronta e triste. Quantos somos! Quantos nos enganamos! Que mares soam em nós... pelas praias que nos sentimos nos alagamentos da emoção!...Quem sabe sequer o que pensa ou o que deseja? Quem sabe o que é para si - mesmo?" (fragmento de LIVRO DO DESASSOSSEGO -1914- BERNARDO SOARES ) Bernardo Soares foi um tipo particular dentre os heterônimos do enigmático e extraordinário poeta português Fernando Pessoa. O que interessa na prosa fragmentária que Bernardo Soares desenvolve é a dramaticidade das reflexões humanas que vêm à tona, à beira do tédio, do trágico. Por essa razão, diversos fragmentos do livro são investigações íntimas das sensações provocadas pelo anonimato, pela cotidianeidade e todo o pragmatismo da vida comum. Estudiosos discutem por que Fernando Pessoa teria criado seus heterônimos. Seria esquizofrenia? Psicografia? Uma forma de expôr seus sentimentos? Distúrbio de Personalidade? De certo, sabemos que sua genialidade é grande

Fazer diferente.......

 O Nariz Era um dentista, respeitadíssimo. Com seus quarenta e poucos anos, uma filha quase na faculdade. Um homem sério, sóbrio, sem opiniões surpreendentes mas uma sólida reputação como profissional e cidadão. Um dia, apareceu em casa com um nariz postiço. Passado o susto, a mulher e a filha sorriram com fingida tolerância. Era um daqueles narizes de borracha com óculos de aros pretos, sombrancelhas e bigodes que fazem a pessoa ficar parecida com o Groucho Marx. Mas o nosso dentista não estava imitando o Groucho Marx. Sentou-se à mesa do almoço – sempre almoçava em casa – com a retidão costumeira, quieto e algo distraído. Mas com um nariz postiço. - O que é isso? – perguntou a mulher depois da salada, sorrindo menos. - Isso o quê? - Esse nariz. - Ah. Vi numa vitrina, entrei e comprei. - Logo você, papai... Depois do almoço, ele foi recostar-se no sofá da sala, como fazia todos os dias. A mulher impacientou-se. - Tire esse negócio. - Por quê? - Brincadeira tem hora. - Ma

Inquietanças

"Que há atrás dessa porta? Não chames, não perguntes, ninguém responderá, nada pode abri-la, nem a gazua da curiosidade nem a pequena chave da razão nem o martelo da impaciência. Não fales, não perguntes, aproxima-te, encosta a orelha: - não ouves a respiração? Lá do outro lado, como tu alguém pergunta: - que há atrás dessa porta?" Octávio Paz -- ' Antologia Poética'

A importância da saúde mental

Não há Saúde sem Saúde Mental Adoecer psiquicamente não é prerrogativa da modernidade. É tão humano quanto nascer ou morrer, ter diabetes, hipertensão arterial, hemorragia. Adoecer faz parte da condição humana. Quando alguém adoece, é natural que receba afeto, simpatia e compreensão para superar o problema. O mesmo não acontece quando essa pessoa adoece por um transtorno mental. A doença, nesse caso, pode ser interpretada como sinal de fraqueza, de autoflagelo, de covardia. Guardada a devida distância, é uma reação semelhante a que os romanos manifestavam em relação aos portadores de lepra - uma condição considerada degradante, dolorosa e contagiante. Melhor evitá-los, colocando-os em lugares bem longe das cidades, confinados. Foi essa a lógica que levou à criação dos asilos para os desvalidos na França, na Inglaterra e no Brasil, a partir do final do século XVIII. Adoecer psiquicamente não é prerrogativa da modernidade. É tão humano quanto nascer ou morrer. Não há civilização conhec

Quanto tempo....

O tempo é um fluir constante. Uma sucessão ininterrupta, na qual todas as coisas que a experiência nos mostra nascem, existem e morrem. É fatalmente irreversível: nenhum esforço humano o pode deter, retardar ou acelerar. Tudo, com movimento perpétuo e revolução perene, passa e vai passando. Onde estamos? - Para onde vamos? - Que podemos saber? - Que devemos fazer? - Que nos é lícito esperar? Eis problemas fundamentais intimamente relacionados com o tempo. Goethe disse: "Cada momento, cada segundo é de um valor infinito, pois ele é o representante de uma eternidade inteira". As melhores fotos da natureza View more presentations or Upload your own.

Padrões pré-estabelecidos

Desde muito cedo a maioria de nós é ensinado a seguir um "bom padrão" de comportamento humano. Muitas vezes, o modelo padrão escolhido é o de nossos pais, avós, alguém de sucesso financeiro ou intelectual, ou, ainda, um ícone religioso como Cristo, Buda ou Gandhi. Acredito que isso também ocorreu com você não é mesmo? Se por um lado, há o nosso desejo mais secreto de corresponder às expectativas alheias, principalmente àquelas de quem amamos, precisando nos sentir aceitos em nosso meio, há um fator de desequilíbrio nessa balança: o que você quer para você mesmo? Perseguir um modelo padrão pode ser uma idéia atrativa. Uma vez que deu certo com ele dará com você. Pensamento simplista para uma questão complexa. Sua vida não é a vida de mais ninguém. Sua história é escrita por você a partir de suas próprias experiências, de suas atitudes e omissões. Com um bom modelo teremos sempre o que aprender. Atitudes também podem ser aprendidas. Certo? Mas, atender expectativas definitivam

Questionamentos

Tales e as nove Perguntas ========================= Tales de Mileto, filósofo grego, o mais antigo dos Sete Sábios da Grécia (640 a 550 d. C.), durante parte de sua vida foi um bom comerciante. Após enriquecer, retirou-se dos negócios e pôde dedicar-se aos estudos, adquirindo muitos conhecimentos através de viagens.Aprende Geometria com sacerdotes egípcios, previu o primeiro eclipse solar no ano de 500 a. C. E determinou a duração do ano. Ainda em vida, foi considerado o pai da Astronomia, da Geometria e da Aritmética.Em certa ocasião, foi inquirido sobre 9 questões. Hei-las, seguidas da resposta de Tales: 1. Qual a coisa mais velha de todas as coisas?Deus, porque ele sempre existiu. 2. Qual a mais bela de todas as coisas?O universo, porque é trabalho de Deus. 3. Qual a maior de todas coisas?O espaço, porque ele contém o que foi criado. 4. Qual a mais constante de todas as coisas?A esperança, porque ela permanece nos Homens mesmo depois de terem perdido tudo. 5. Qual é a melhor de

Quem é você......?

Cenoura, Ovo ou Café ==================== Uma filha se queixou a seu pai sobre sua vida e de como as coisasestavam tão difíceis para ela..Ela já não sabia mais o que fazer e queria desistir.Estava cansada de lutar e combater. Parecia que assim que um problema estava resolvido um outro surgia.Seu pai, um "chef", levou-a até a cozinha dele. Encheu três panelas com água e colocou cada uma delas em fogo alto. Logo as panelas começaram a ferver. Em uma ele colocou cenouras, em outra colocou ovos e, na última pó de café.Deixou que tudo fervesse, sem dizer uma palavra..A filha deu um suspiro e esperou impacientemente, imaginando o que ele estaria fazendo. Cerca de vinte minutos depois, ele apagou as bocas de gás. Pescou as cenouras e as colocou em uma tigela. Retirou os ovos e os colocou em uma tigela.Então pegou o café com uma concha e o colocou em uma tigela.Virando-se para ela, perguntou "Querida, o que você está vendo ?""Cenouras, ovos e café," ela respond

Seus pensamentos obedecem à campanhia

"Vou contar para vocês uma estória. Não importa se verdadeira ou imaginada. Por vezes, para ver a verdade, é preciso sair do mundo da realidade e entrar no mundo da fantasia... Um grupo de psicólogos se dispôs a fazer uma experiência com macacos. Colocaram cinco macacos dentro de uma jaula. No meio da jaula, uma mesa. Acima da mesa, pendendo do teto, um cacho de bananas. Os macacos gostam de bananas. Viram a mesa. Perceberam que, subindo na mesa, alcançariam as bananas. Um dos macacos subiu na mesa para apanhar uma banana. Mas os psicólogos estavam preparados para tal eventualidade: com uma mangueira deram um banho de água fria nele. O macaco que estava sobre a mesa, ensopado, desistiu provisoriamente do seu projeto. Passados alguns minutos, voltou o desejo de comer bananas. Outro macaco resolveu comer bananas. Mas, ao subir na mesa, outro banho de água fria. Depois de o banho se repetir por quatro vezes, os macacos concluíram que havia uma relação causal entre subir na mesa e o b

S.A.P.O

Se existem três sapos numa folha, e um deles decide pular da folha para a água, quantos sapos restam na folha * * * * * * Resposta certa: Depende!!! Porque se o sapo apenas decidiu pular mas não o fez, continuam sendo três sapos na folha. Brincadeiras à parte, Às vezes, a gente não se parece com o sapo? Quando decidimos fazer isso, fazer aquilo e no final não fazemos nada? Na vida temos que tomar muitas decisões. Algumas fáceis, outras difíceis. Rir é correr o risco de parecer tolo. Chorar é correr o risco de parecer sentimental. Abrir-se para alguém é arriscar envolvimento. Expor as idéias e sonhos é arriscar-se a perdê-los. Questionar é arriscar-se ser considerado "louco" Amar é correr o risco de não ser amado. Viver é correr o risco de morrer. Ter esperança é correr o risco de se decepcionar. Tentar é correr o risco de falhar. Os riscos precisam ser enfrentados porque o maior fracasso na vida é não arriscar nada. A pessoa que não arrisca nada, não faz nada, não tem n

Normalidade.....a quem interessa??!!

O que é Ser Normal? “Que é loucura: ser cavaleiro andante ou segui-lo como escudeiro? De nós dois, quem o louco verdadeiro? O que, acordado, sonha doidamente? O que, mesmo vendado, vê o real e segue o sonho de um doido pelas bruxas embruxado? Eis-me, talvez, o único maluco, e me sabendo tal, sem grão de siso, sou- que doideira – um louco de juízo “ (Carlos Drummond- Quixote e Sancho de Portinari, 1974). Você já se fez essa pergunta: o que é ser uma PESSOA NORMAL ? Será que é tão fácil definir isso? O problema do ser normal reside no conceito equivocado de normalidade, porque é entendido como viver no padrão, dentro das normas. Estabelece-se, arbitrariamente, uma norma ideal, o que é supostamente “sadio”, mais “evoluído”. Tal norma é de fato socialmente constituída e referendada. Depende, portanto, de critérios socioculturais e ideológicos arbitrários e, no mais das vezes, dogmáticos e doutrinários. O normal passa a ser aquilo que se observa com mais frequên