Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo medo

Mãos no manche

Insegurança e ansiedade sempre andaram de mãos dadas. É um grande e destrutivo circulo vicioso. Além disso, a baixa autoestima e baixa autoconfiança acabam agravando a situação. Algumas pessoas permanecem estáticas diante das circunstâncias, mesmo que simples. Qualquer situação corriqueira pode tornar-se um desafio complexo e perturbador. Nesse ponto, a autoestima e confiança em si mesmo deveriam prevalecer como forças internas. Porém, a falha na resposta vai gerar muito mais insegurança e, consequentemente, ansiedade. Lembrei-me da história da moça que vivia um relacionamento totalmente perturbador. O namorado nunca foi um exemplo de companheirismo e lealdade, tão fundamentais em qualquer relacionamento a dois. Sempre foi alheio e egocêntrico às dificuldades dela. Como não bastasse, nos momentos juntos, apenas a criticava, piorando sua autoestima. Ela, já não sabia se o amava, embora admitindo que nunca fora uma pessoa que conseguisse viver sozinha, sem algué

O medo das diferenças

“... Lekh me entregava um pássaro pintado, mandando que eu o apertasse de leve nas mãos. Cedo seus gritos atraíam companheiros da mesma espécie, que se punham a revoar sobre nossas cabeças. Vendo-os, o prisioneiro debatia-se gritando ainda mais; e o coração trancado no peito recém pintado batia violentamente. Quando o número de pássaros era suficiente, Lekh fazia-me sinal para soltar o prisioneiro. Livre e feliz, lançava-se para o alto, contra o céu cinzento, mergulhando na revoada escura de seus irmãos. Por um instante, a surpresa tolhia os pássaros. A mancha colorida voava em meio ao bando, tentando convencê-los de que lhe pertencia. Mas, confundidos pela plumagem brilhante, os outros o rodeavam incrédulos e quanto mais o pássaro pintado tentasse incorporar-se ao bando, mais o rejeitavam. Logo, um depois o outro, começavam a atacá-lo arrancando-lhe as penas multicores, até fazer-lhe perder as forças precipitando-o ao chão. Esses incidentes aconteciam com freqüência, e, geralme

E porque isso José?

José sempre teve um desejo. Queria ter filhos. Trabalhava muito e quase não descansava. Agora José não é mais o mesmo de outrora. Vive com medos e pensamentos ruins. A insegurança o maltrata. Os pensamentos lhe afligem. Tanto queria carregar um filho nos braços. E agora José não tem coragem. Seus pensamentos o condenam. Tem medo de si. Culpado! Culpado! Gritam-lhe os pensamentos. -Mas José, porque tem medo?Porque a culpa? -Não sei! Acho que posso fazer mal. -E porque isso José? -Não sei quem sou, tenho medo de mim. E agora José terá uma batalha. Talvez a mais difícil de todas. José tem que vencer a si próprio. Superar suas inseguranças e medos. Vencer seus bloqueios e traumas. Melhorar sua auto-confiança E seus pensamentos? -Ora bolas!! São apenas frutos de sua mente.

Transtorno do Pânico

Na mitologia grega, Pã é um deus dos pastores e rebanhos, representado como divindade semi-humana: o rosto barbudo e enrugado, queixo saliente, expressão animalesca, a testa é ornada por dois cornos; o corpo é peludo e os membros inferiores são de bode, as patas são magras e nervosas. É dotado de muita agilidade, rápido na corrida, sabe dissimular-se nas moitas, onde se esconde para espiar as Ninfas e assustá-las. Diz-se também que surgia repentinamente na Ágora ateniense, durante as assembléias, para aterrorizar as pessoas e tumultuar as discussões. A palavra pânico deriva de Pã e representa um medo infundado, susto ou pavor repentino. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS E DIAGNÓSTICAS ATUAL O transtorno do pânico (também chamado de ansiedade paroxística episódica) é caracterizado pelos ataques recorrentes de ansiedade intensa em circunstâncias imprevisíveis. Alem da ansiedade intensa (pânico) a pessoa tem a sensação de morte iminente, de perda do controle de si própria ou de ficar "louco

Ouço Vozes

"Ouço vozes Que gritam E xingam Vozes horríveis   Ouço vozes Que riem E cantam Vozes suaves   Ouço vozes Dos pássaros Que voam Libertos   Ouço vozes Da chuva Que lava O semblante assustado   Ouço vozes Que mandam E desmandam Impiedosas   Ouço vozes Quem nem sei bem De onde vêm Ou de quem   Ouço vozes indutivas Intuitivas, permissivas Comandantes vorazes Amedrontadoras   Ouço essas vozes Como um rádio Em curto-circuito A chiar no meu ouvido   Já ouço, mais um dia Tantas vozes Que me dizem E desdizem   E entre tantas vozes Só não ouço a minha"  Stuka Angyali

Bon appétit mon ami

 Um viajante resolveu passar algumas semanas num mosteiro do Nepal. Certa tarde, entrou num dos muitos templos do mosteiro, e encontrou um monge, sorrindo, sentado no altar. -- Por que o senhor sorri ? - perguntou ao monge. -- Porque entendo o significado das bananas - disse o monge, abrindo a bolsa que carregava, e tirando uma banana podre de dentro. -- Esta é a vida que passou e não foi aproveitada no momento certo, agora é tarde demais. Em seguida, tirou da bolsa uma banana ainda verde. Mostrou-a e tornou a guardá-la. -- Esta é a vida que ainda não aconteceu, é preciso esperar o momento certo - disse. Finalmente, tirou uma banana madura, descascou-a, e dividiu-a com meu amigo, dizendo : -- Este é o momento presente. -- Saiba deliciá-lo, sem medos.

SOLTE A PANELA

Certa vez, um urso faminto perambulava pela floresta em busca de alimento. A época era de escassez, porém, seu faro aguçado sentiu o cheiro de comida e o conduziu a um acampamento de caçadores. Ao chegar lá, o urso, percebendo que o acampamento estava vazio, foi até a fogueira, ardendo em brasas, e dela tirou um panelão de comida. Quando a tina já estava fora da fogueira, o urso a abraçou com toda sua força e enfiou a cabeça dentro dela, devorando tudo. Enquanto abraçava a panela, começou a perceber algo lhe atingindo. Na verdade, era o calor da tina...Ele estava sendo queimado nas patas, no peito e por onde mais apanela encostava.O urso nunca havia experimentado aquela sensação e, então, interpretou as queimaduras pelo seu corpo como uma coisa que queria lhe tirar a comida. Começou a urrar muito alto. E, quanto mais alto rugia, mais apertava a panela quente contra seu imenso corpo. Quanto mais a tina quente lhe queimava, mais ele apertava contra o seu corpo e mais alto ainda rugia. Qu

O Rio e o Oceano

Diz-se que, mesmo antes de um rio cair no oceano ele tremede medo.Olha para trás, para toda a jornada, os cumes, as montanhas, o longo caminho sinuoso através das florestas, através dos povoados, e vê à sua frente um oceano tão vasto que entrar nele nada mais é do que desaparecer para sempre. Mas não há outra maneira. O rio não pode voltar. Ninguém pode voltar.Voltar é impossível na existência. Você pode apenas ir em frente.O rio precisa se arriscar e entrar no oceano. E somente quando ele entra no oceano é que o medo desaparece. Porque apenas então o rio saberá que não se trata de desaparecer no oceano, mas tornar-se oceano. Por um lado é desaparecimento e por outro lado é renascimento. Assim somos nós. Só podemos ir em frente e arriscar. Coragem !! Avance firme e torne-se Oceano!!! OSHO

Refletindo.....

Dúvida ou Confiança? Esta é a "história de um alpinista"que sempre buscava superarmais e mais desafios.Ele resolveu, depois de muitos anosde preparação, escalar uma altíssima montanha.E ele queria a glória somente para si.Resolveu então escalar sozinho semnenhum companheiro, o que seria naturalno caso de uma escalada dessa dificuldade.Ele começou a subir e foi ficando cada vezmais tarde, porém ele que não havia sepreparado para acampar resolveu seguir aescalada, decidido a atingir o topo.Escureceu e a noite caiu como um breu nasalturas da montanha, não se via absolutamente nada.Tudo era escuridão, zero de visibilidade,não havia lua e as estrelas estavam cobertas pelas nuvens.Subindo por uma "parede", a apenas 100metros do topo, ele escorregou e caiu...Caia a uma velocidade vertiginosa, somenteconseguia ver manchas que passavam cadavez mais rápidas na escuridão.Sentia apenas uma terrível sensação deestar sendo sugado pela força da gravidade.Ele continuava caindo e,

Sobre a Morte e....morrer...

PIETÁ O que é vida? Mais precisamente, o que é a vida de um ser humano? O que e quem a define? "Já tive medo da morte. Hoje não tenho mais. O que sinto é uma enorme tristeza. Concordo com Mário Quintana: "Morrer, que me importa? (...) O diabo é deixar de viver." A vida é tão boa! Não quero ir embora...Eram 6h. Minha filha me acordou. Ela tinha três anos. Fez-me então a pergunta que eu nunca imaginara: "Papai, quando você morrer, você vai sentir saudades?". Emudeci. Não sabia o que dizer. Ela entendeu e veio em meu socorro: "Não chore, que eu vou te abraçar..." Ela, menina de três anos, sabia que a morte é onde mora a saudade.Cecília Meireles sentia algo parecido: "E eu fico a imaginar se depois de muito navegar a algum lugar enfim se chega... O que será, talvez, até mais triste. Nem barcas, nem gaivotas. Apenas sobre humanas companhias... Com que tristeza o horizonte avisto, aproximado e sem recurso. Que pena a vida ser só isto...” Da. Clara era

O Poder da Porta Negra

Era uma vez um país de Mil e Uma Noites. Neste país, havia um rei que era muito polêmico por causa de seus atos. Ele pegava os prisioneiros de guerra e levava para uma enorme sala. Os prisioneiros eram enfileirados no centro da sala e o rei gritava: -Eu vou dar uma chance para vocês. Olhem para o canto direito da sala. Ao olharem, os prisioneiros viam alguns soldados armados de arco e flechas, prontos para ação. -Agora, - continuava o rei - , olhem para o canto esquerdo. Ao olharem, todos os presos notavam que havia uma terrível Porta Negra de aspecto dantesco. Crânios humanos serviam como decoração e a maçaneta era a mão de um cadáver. Algo horripilante só de imaginar, quanto mais para ver. O rei se posicionava no centro da sala e gritava: -Agora, escolham: o que vocês querem? Morrerem cravados de flechas ou... abrirem rapidamente aquela Porta Negra e entrarem lá dentro enquanto eu tranco vocês? Agora, decidam, vocês têm livre arbítrio, escolham... Todos os prisioneiros tinham o mesm

Descontrole

Crawling (tradução) Linkin Park Composição: Indisponível Rastejando Rastejando dentro da minha pele Estas feridas, eles não curarão Medo é o que me derruba Confundindo o que é real Há algo dentro de mim que me puxa abaixo da superfície Consumindo, confundindo.. Esta falta de auto-controle eu temo que nunca acabe Controlando Parece que não consigo [Refrão II] Me achar novamente Minhas paredes estão se fechando (Sem um senso de confiança, estou convencido que há Muita pressão para eu aguentar) Eu me senti desse jeito antes Tão inseguro [Refrão] Rastejando dentro da minha pele Estas feridas, eles não curarão Medo é o que me derruba Confundindo o que é real Desconforto eterno se possuiu em mim Distraindo, reagindo, Contra minha vontade eu fico do lado da minha própria Reflexão Está assombrando Parece que eu não consigo [Refrão II] Me achar novamente Minhas paredes estão se fechando (Sem um senso de confiança, estou convencido que há Muita pressão para eu aguentar) Eu me senti dess

OUSE

"OUSE, NÃO TENHA MEDO!!!!" Autor: FERNANDO PESSOA “Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas que já têm a forma do nosso corpo e esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos”

Sem medo de procurar ajuda

No mundo existem 400 milhões de pessoas que sofrem transtornos mentais ou problemas psicossociais como aqueles relacionados com o abuso do álcool e de drogas. De cada quatro pessoas atendidas nos serviços de saúde, ao menos um é diagnosticado por estes transtornos. Mas existem sérios problemas de falta de diagnóstico e tratamento adequado, sobretudo em relação à depressão. Ainda que num princípio se poderia entender como saúde mental só aquilo relacionado com transtornos ou problemas psicológicos, a verdade é que a perspectiva é bem mais ampla. De fato, problemas derivados da forma de vida que caracteriza as sociedades atuais são consideradas hoje em dia como uma parte essencial da saúde mental. É o caso, por exemplo, do ESTRESSE. O fato de que transtornos de ansiedade, o estresse e outros mal-estares psicológicas se tenham convertido na primeira causa de baixa trabalhista deixa poucas dúvidas a respeito de sua crescente importância. As doenças e mal-estares relacionados com a saúde me