Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo insegurança

Mãos no manche

Insegurança e ansiedade sempre andaram de mãos dadas. É um grande e destrutivo circulo vicioso. Além disso, a baixa autoestima e baixa autoconfiança acabam agravando a situação. Algumas pessoas permanecem estáticas diante das circunstâncias, mesmo que simples. Qualquer situação corriqueira pode tornar-se um desafio complexo e perturbador. Nesse ponto, a autoestima e confiança em si mesmo deveriam prevalecer como forças internas. Porém, a falha na resposta vai gerar muito mais insegurança e, consequentemente, ansiedade. Lembrei-me da história da moça que vivia um relacionamento totalmente perturbador. O namorado nunca foi um exemplo de companheirismo e lealdade, tão fundamentais em qualquer relacionamento a dois. Sempre foi alheio e egocêntrico às dificuldades dela. Como não bastasse, nos momentos juntos, apenas a criticava, piorando sua autoestima. Ela, já não sabia se o amava, embora admitindo que nunca fora uma pessoa que conseguisse viver sozinha, sem algué

E porque isso José?

José sempre teve um desejo. Queria ter filhos. Trabalhava muito e quase não descansava. Agora José não é mais o mesmo de outrora. Vive com medos e pensamentos ruins. A insegurança o maltrata. Os pensamentos lhe afligem. Tanto queria carregar um filho nos braços. E agora José não tem coragem. Seus pensamentos o condenam. Tem medo de si. Culpado! Culpado! Gritam-lhe os pensamentos. -Mas José, porque tem medo?Porque a culpa? -Não sei! Acho que posso fazer mal. -E porque isso José? -Não sei quem sou, tenho medo de mim. E agora José terá uma batalha. Talvez a mais difícil de todas. José tem que vencer a si próprio. Superar suas inseguranças e medos. Vencer seus bloqueios e traumas. Melhorar sua auto-confiança E seus pensamentos? -Ora bolas!! São apenas frutos de sua mente.

Ouço Vozes

"Ouço vozes Que gritam E xingam Vozes horríveis   Ouço vozes Que riem E cantam Vozes suaves   Ouço vozes Dos pássaros Que voam Libertos   Ouço vozes Da chuva Que lava O semblante assustado   Ouço vozes Que mandam E desmandam Impiedosas   Ouço vozes Quem nem sei bem De onde vêm Ou de quem   Ouço vozes indutivas Intuitivas, permissivas Comandantes vorazes Amedrontadoras   Ouço essas vozes Como um rádio Em curto-circuito A chiar no meu ouvido   Já ouço, mais um dia Tantas vozes Que me dizem E desdizem   E entre tantas vozes Só não ouço a minha"  Stuka Angyali