Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo existência

Castração

Você é o que pensa ser ou o que a sociedade determina que seja? Seus sentimentos realmente lhe pertencem? "Por vezes ou quase a todo instante o dilema. Devo ser ou determinado serei. Sendo “bonzinho”, amável e "bom tudo" Seria eu mesmo? Se não aceito determinações ou castrações, Seria eu um pária? E nesse conflito existencial Deixo-me à mercê De meus sentimentos."

Íntimos caminhos

"Somos quem não somos e a vida é pronta e triste. Quantos somos! Quantos nos enganamos! Que mares soam em nós... pelas praias que nos sentimos nos alagamentos da emoção!...Quem sabe sequer o que pensa ou o que deseja? Quem sabe o que é para si - mesmo?" (fragmento de LIVRO DO DESASSOSSEGO -1914- BERNARDO SOARES ) Bernardo Soares foi um tipo particular dentre os heterônimos do enigmático e extraordinário poeta português Fernando Pessoa. O que interessa na prosa fragmentária que Bernardo Soares desenvolve é a dramaticidade das reflexões humanas que vêm à tona, à beira do tédio, do trágico. Por essa razão, diversos fragmentos do livro são investigações íntimas das sensações provocadas pelo anonimato, pela cotidianeidade e todo o pragmatismo da vida comum. Estudiosos discutem por que Fernando Pessoa teria criado seus heterônimos. Seria esquizofrenia? Psicografia? Uma forma de expôr seus sentimentos? Distúrbio de Personalidade? De certo, sabemos que sua genialidade é grande

Transitoriedade existencial

"Nossa existência é transitória como as nuvens do outono.  Observar o nascimento e a morte do ser é como olhar os movimentos da dança. Uma vida é como o brilho de um relâmpago no céu.  Levada pela torrente montanha abaixo" Gautama Buda