Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo dúvidas

Espelhos

"Já fui o que nunca imaginei... Estive aonde nunca iria... Fechei os olhos, Tapei os ouvidos. De nada adiantou Medo... E depois de tanta loucura Ainda luto contra os fantasmas Que assombram minha existência Anjo e demônio Disputando minh’alma Ordem após ordem... Devastando minha mente, Imputando-me incertezas De quem realmente sou. Mas após tantos delírios Ainda alucino a existência De um mundo real" E você? Tem plena convicção de seus desejos? Sabe bem quem realmente você é? Já se permitiu o impensável? Há quanto tempo não olha para dentro de si mesmo e descobre algo novo? Ou foge de voltar os olhos para o espelho de sua alma? " A nossa própria alma apanha-nos em flagrante nos espelhos que olhamos sem querer".  Mário Quintana

Ser irresoluto

"Ser apenas mais um Entre tantos de si. Ser apenas mais um Entre tantos circundantes. Eternamente irresoluto, Ser o destoante ser! Incongruentes desejos De insânia inquietude. Aturdido em consumismos, Perde-se em devaneios: Entre o essencial E o querer Ahh! Energúmeno ser Embasbacado Entre poder E pudor." "Sempre que tiveres dúvidas, ou quando o teu eu te pesar em excesso, experimenta o seguinte recurso: lembra-te do rosto do homem mais pobre e mais desamparado que alguma vez tenhas visto e pergunta-te se o passo que pretendes dar lhe vai ser de alguma utilidade. Poderá ganhar alguma coisa com isso? Fará com que recupere o controle da sua vida e do seu destino? Por outras palavras, conduzirá à autonomia espiritual e física dos milhões de pessoas que morrem de fome? Verás, então, como as tuas dúvidas e o teu eu se desvanecem." Gandhi Portinari - "criança morta" 

Mundo Interior

Ouço que....  a natureza é uma lauda eterna De pompa, de fulgor, de movimento e lida, Uma escala de luz, uma escala de vida De sol à infima luzerna. Ouço que a natureza, - a natureza externa, - Tem o olhar que namora, e o gesto que intimida Feiticeira que ceva uma hidra de Lerna Entre as flores da bela Armida. E contudo, se fecho os olhos, e mergulho Dentro em mim, vejo à luz de outro sol, outro abismo Em que um mundo mais vasto, armado de outro orgulho, Rola a vida imortal e o eterno cataclismo, E, como o outro, guarda em seu âmbito enorme, Um segredo que atrai, que desafia - e dorme. Soneto de Machado de Assis " ......E nessa vastidão, entranhada em nuances complexas de sentimentos, transforma-se, cada ser, em um universo particular e infinito de incontáveis vivências." Stuka Angyali

Quimera

A vida é feita de sonhos. Há 30 anos, de um parto sofrido nascia Argemira, sem choro, à luz de velas. Muito sua mãe sofreu nesse parto, que em seu casebre concebeu. Cresceu lentamente, tão raquítica e delicada. E seus primeiros passinhos demoraram a acontecer. Falar algumas palavras, somente depois dos 7 anos de idade. Na escola, caçoada, tão tímida e isolada, não conseguia aprender. Menina estranha, acuada, simplesmente não aprendia nada. Frequentou, sim, até a 4®série. Mas a escola abandonou, tamanho constrangimento por nada aprender. E cabe aqui parentesar. Quem abandonou quem? Então os anos correram. Argemira, humilde, não obstante batalhadora, sempre em casa, solitária, sonhadora. O sonho? Aprender. Argemira nunca esqueceu o contato que teve com as palavras escritas. Guarda, ainda, seu caderninho de caligrafia. Todos os dias, lá no mesmo casebre que um dia a recebeu em um rasgo purpúreo, senta-se na mesinha capenga da cozinha. À luz enfumaçada do lampião, Argemira tenta ler

Acredite! Nem sempre é o que parece.

Conta a estória que dois Anjos viajantes pararam para passar a noite na casa de uma família muito rica. A família era rude e não permitiu que os Anjos ficassem no quarto de hóspedes da mansão. Em vez disso, deram aos Anjos um espaço pequeno no frio sótão da casa. À medida que eles faziam a cama no duro piso, o Anjo mais velho viu um buraco na parede e o tapou. Quando o Anjo mais jovem perguntou: por que? O Anjo mais velho respondeu: -"As coisas nem sempre são o que parecem". Na noite seguinte, os dois anjos foram descansar em outra casa, de um casal muito pobre, mas o senhor e sua esposa eram muito hospitaleiros. Depois de compartilhar a pouca comida que a família pobre tinha, o casal permitiu que os Anjos dormissem na sua cama onde eles poderiam ter uma boa noite de descanso. Quando amanheceu, ao dia seguinte, os anjos encontraram o casal banhado em lágrimas. A única vaca que eles tinham, cujo leite havia sido a única entrada de dinheiro, jazia morta no campo. O Anjo mais jo