Pular para o conteúdo principal

Máquinas

"Danem-se dogmas..... 
pois não somos máquinas" - Stuka Angyali




Você já sentiu medo? Já ficou assustado ou verdadeiramente apavorado?
Você já se sentiu triste ou angustiado, mesmo sem compreender o motivo?
Você já se sentiu agitado, inquieto, insone, tenso, deslocado?
Você já se sentiu alegre?....mesmo sem qualquer motivo?
Você já sentiu???
Sabe o que é sentir? Sabe o que é emoção?
Já sentiu dor?
Não....não estou falando de dor física. Não estou falando da dor de um ferimento na pele, da dor de estômago, da dor de cabeça, da dor do infarto...
Não...não!!!
Estou falando da dor invisível. Que maluquice, não é mesmo!? Afinal, se é invisível não existe!
Pois é!! É assim que todos julgam. É assim que todos pensam.
“Isso não existe”, “isso é da cabeça”, “precisa achar um trabalho”, “frescura”
Palavras lançadas como flechas que causam mais dor para quem a sente.
Dores na alma são invisíveis.
Dores na alma são subjetivas....
Dores na alma não aparecem em fotografias de Rx...
Dores na alma não são aferidas no esfigmomanômetro....
Dores na alma não são calculadas em resultados sanguíneos.
Ahhhh! Mas que exagero!! Diriam alguns....
Não há exagero quando o doente é você!
Não há exagero quando o doente é alguém muito próximo, de seu convívio familiar.
Não há exagero quando você se torna responsável diante de um ser humano que se encontra à sua frente, desesperado, desesperançado, apavorado, nocauteado pelos próprios sentimentos.
Não há exagero quando você se torna a última esperança para a vida de alguém...
Sim, é assim mesmo que se sente alguém adoecido emocionalmente, tentando se agarrar a qualquer fio de esperança ou salvação diante daquilo que sente.
Qualquer pessoa que já tenha sofrido de um adoecimento emocional, ou que tenha convivido com tal situação, sabe quão difícil e lento é o processo de recuperação.
Doenças físicas, de forma geral, são facilmente diagnosticadas e tratadas de forma breve, com resolução do problema.
Doenças psíquicas, ou emocionais, exigem muito mais tempo de acompanhamento médico e psicológico, não sendo incomum a exigência de um tratamento até o fim da vida.
Aliás, muitas vezes sendo possível fazer uma analogia corriqueira com doenças do corpo, ou clínicas, como hipertensão arterial ou diabetes, que quase sempre exigirão um tratamento e uso de medicamentos por toda a vida, após diagnosticados.
Então, surge a infeliz constatação: em pleno ano 2015 ainda existe preconceito e discriminação contra pessoas que adoecem mentalmente.
Como definir isso? Lastimável?
Todos nascemos verdadeiramente ignorantes, uma vez que não temos quaisquer conhecimentos acerca do mundo que nos cerca. Com o passar dos anos, em que crescemos e aprendemos, podemos conseguir conhecimento maior sobre os variados assuntos e situações da vida.
Mas ser verdadeiramente ignorante é não querer aprender ou entender sobre algo.
É inaceitável fazer um discurso contra pessoas adoecidas emocionalmente. Mas pior é tentar afirmar que os tratamentos existentes são escravizadores ou que servem somente para dopar, robotizar, ou tornar pessoas dependentes de remédios.
Então quem usa um medicamento anti-hipertensivo não é dependente?
Quem usa um medicamento para diabetes, asma, lúpus, HIV não é dependente?
Você já mandou alguém parar de tomar remédio para AIDS, porque ele ficaria dependente? Não cometeria essa “loucura” não é mesmo!
Mas quantas vezes você já ouviu alguém falando mal de remédios relacionados ao tratamento psiquiátrico??....nem precisaria responder.
Crises de pânico, ansiedade, angústia, fobias....
Crises psicóticas, medo, desespero, alucinações...
Crises depressivas, vazio, desesperança....
Crises do eu...do nós....de todos....
Mas sei que defendo, sim, com unhas e dentes, todos que sofrem na alma.
Sei bem o que é um sorriso de agradecimento, onde antes havia somente tristeza e vazio.
Sei bem o que é um olhar de tranquilidade, onde antes havia medo, pavor e uma mente perdida dentro de seus próprios labirintos.
Sei bem o que é um abraço verdadeiramente carinhoso, onde antes a angústia e a tristeza impediam qualquer esboço de reação afetiva.
Sei bem o que são palavras ditas em cada momento, antes, durante e depois...
E sei, também, que amor pelo próximo não deve ficar restrito a orações vazias ou meras repetições.
Pense a respeito....reflita....sinta...
Você também é um ser humano...formado por células, tecidos, órgãos, ossos e músculos...
Mas se não tivesse sentimentos ou emoções.....seria apenas uma máquina ou robô.


Comentários

Anônimo disse…
muito bom!

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto