Pular para o conteúdo principal

Heróis da resistência




"Meu único desejo, meu tema musical, meu diamante é a educação".

Rubem Alves





Antigamente, quando se falava em determinadas profissões, acontecia automaticamente uma analogia com os heróis, pois tinham uma representatividade das atitudes corretas e dos comportamentos morais a serem observados e seguidos.
Um dos primeiros heróis, simbolicamente,  que temos contato é o professor. Mas é fundamental fazer uma viagem no tempo para que se fale um pouquinho a esse respeito.
Os professores simbolizavam, em outros tempos,  a figura de grande autoridade,  detentores do conhecimento. Através dos professores iniciávamos nossa entrada em um novo mundo. Era aquele primeiro momento de sair de nosso "mundinho" restrito ao contexto familiar e penetrar no conhecimento mais amplo. Os professores tinham autoridade. Se ficassem bravos, quando assim fosse necessário, os alunos se calavam e ficavam quietinhos, pois havia respeito. Naquela época não era incomum as crianças levarem "presentinhos" ( pequenos mimos ) ao seu professor. Todos queriam agradar e demonstrar sua gratidão e seu reconhecimento por aquela figura tão terna e importante. Mas, no fundo, não tínhamos noção de ter, diante de nossos olhos, um indivíduo que escolhera como profissão a arte de ensinar. E, obviamente, nem tampouco nos preocupávamos se ganharia bem ou mal sua remuneração. O que sabíamos é que sua arte era respeitável ( pelo menos por nós, alunos ).
Diante de nossos olhos, a cada dia, tínhamos um herói, um conselheiro, um amigo, uma autoridade, a quem respeitávamos. E creio ser bastante comum que, mesmo após décadas, muitos são capazes de se lembrar dos nomes de seus professores ( principalmente aqueles do "primário ", hoje chamado ensino fundamental ).
Mas, heróis não têm valor!
Nos tempos atuais, os professores continuam sendo heróis. Contudo é um heroísmo às avessas.
O professor precisa ter coragem de encarar uma sala de aula sem saber se vai ser agredido ou humilhado por alunos ou, quem sabe, pelos próprios pais de determinados alunos, que conseguem respaldo em suas atitudes delinquentes através da conivência familiar.
Hoje o professor é obrigado a calar-se diante de seus alunos, pois pode ser acusado diante do ECA            ( estatuto da criança e do adolescente ) de maus tratos ou assédio moral. Submete-se a provocações, enquanto algum aluno filma no celular as suas reações.
Hoje o professor não pode avaliar o verdadeiro conhecimento de seus alunos, pois está proibido de reprovar o ano letivo de qualquer um      ( e se der alguma nota baixa terá que preencher umas dez folhas se justificando por tê-lo feito, quase atestando que ele , professor, é burro e não soube avaliar ).
Hoje o professor precisa reunir cargas horárias estapafúrdias, para ver se consegue pagar suas despesas familiares.
Hoje o professor, mais do que nunca, tem que ser um idealista, sobrevivendo dia-a-dia aos desencantos de sua arte.
Hoje o professor adoeceu psiquica e fisicamente. Sente-se um lixo varrido para qualquer canto. Não tem mais certeza de seu futuro.
Hoje o professor sabe que sua arte não tem mais valor ou reconhecimento.
Hoje, dia 15 de Outubro comemora-se o DIA DO PROFESSOR.
Mas, afinal, o que o professor tem a comemorar?
Prefiro, ainda, manter a sua imagem de herói de tempos passados, mesmo que seja um herói apenas das boas lembranças, em extinção.
Aos heróis que resistem bravamente, deixo um grande abraço e o desejo de que tudo melhore.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto