Pular para o conteúdo principal

Perseverare

Adebayo sentia-se infeliz. Reclamava constantemente da infelicidade que tomava conta de seus dias.
" Não sou triste. Sou uma pessoa infeliz. Nada me satisfaz ou faz graça".
Já passou por tantos fracassos e tantas desilusões que não acredita em seu potencial. Nunca conseguiu nada que tenha almejado, pessoal, profissional ou socialmente.
Perdeu a noção de quantas vezes sonhou e viu tudo desmoronar. Sempre construiu castelos que ruiram, um após outro.
Tornou-se um descrente de si mesmo. Vivia perdido em devaneios de auto-comiseração e intitulava-se flagelado na alma.
Seu discurso fazia lembrar o poema de Álvaro de Campos, "Passagem das Horas":


"Trago dentro do meu coração, 


Todos os lugares onde estive, 
Todos os portos a que cheguei, 
Todas as paisagens que vi...

E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que eu quero.....


....Experimentei mais sensações do que todas as sensações que senti, 
Porque, por mais que sentisse, sempre me faltou que sentir 
E a vida sempre me doeu, sempre foi pouco, e eu infeliz.....


.....Não sei se a vida é pouco ou demais para mim. 

Não sei se sinto de mais ou de menos, não sei 

Se me falta escrúpulo espiritual, ponto-de-apoio na inteligência.....


....É preciso querer chorar, mas não sei ir buscar as lágrimas... 

Por mais que me esforce por ter uma grande pena de mim, não choro, 
Tenho a alma rachada sob o indicador curvo que lhe toca... 
Que há de ser de mim? Que há de ser de mim? ......


......Não sei sentir, não sei ser humano, conviver 

De dentro da alma triste com os homens meus irmãos na terra. 

Não sei ser útil mesmo sentindo, ser prático, ser quotidiano, nítido, 
Ter um lugar na vida, ter um destino entre os homens, 
Ter uma obra, uma força, uma vontade, uma horta.... 


......Sentir tudo de todas as maneiras, 

Viver tudo de todos os lados, 

Ser a mesma coisa de todos os modos possíveis ao mesmo tempo, 
Realizar em si toda a humanidade de todos os momentos 
Num só momento difuso, profuso, completo e longínquo....."



Assim caminhava Adebayo, um transeunte perdido nas rotas da vida. Sufocado pelo próprio significado de seu nome, como se fora um castigo imputado a viver eternamente na busca desse sentimento inatingível.
Seria tudo fruto de sua imaginação? Seria tudo fruto de uma mente estagnada nos momentos de insatisfação?
Frustrações e contrariedades fazem parte da vida de qualquer ser humano. Mas não são barreiras intransponíveis e imutáveis. A diferença entre a insatisfação perpetuada e a transitória sempre será a facilidade individual em lidar com as amarguras.
Saiba lidar com as pedras que apareçam em seu caminho e seus castelos serão fortificados.
Saiba lidar com suas amarguras e cada dissabor será mais adocicado.
Saiba lidar com as frustrações e aprenderá que podem acontecer, mas não precisam ser perpetuadas.
A perseverança leva ao recomeço. Tenha forças e acredite que todo recomeço possibilita novas oportunidades e novas conquistas.
E lembre-se:

"A frustração é uma traça que corrói as entranhas da Alma" - Stuka Angyali

Como quer suas entranhas??


Comentários

BLOGZOOM disse…
Meu estimado amigo,

Feliz Domingo de Pascoa!

Com carinho,

Fada Sissym!
ValériaC disse…
Realmente há uma tênue linha que separa a insatisfação perpetuada da transitória. Infelizmente há os que vivem na tristeza sem fim.
Vivermos em lamentaçãoes em nada nos ajuda a tirar da situação que nos desagrada. Quanto mais presos no que nos desagrada, mais do que focalizamos, criamos em nossas vidas.
É preciso que entendamos que na vida tudo são escolhas e podemos mudar, lidando com as situações, fazendo das pedras do nosso caminho, uma bonita construção interior.
Beijos PD, boa semana amigo,
Valéria

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto