Pular para o conteúdo principal

O conforto de seus braços



É muito bom ter saúde, física e mental!
É muito fácil conviver com quem tem saúde física e mental!!
Mas assumir uma postura diante da doença nem sempre é tão simples.
Ser ou estar doente é um sentimento terrível. Além das dores físicas ou dores da alma, há, normalmente, um sentimento de incapacidade individual. Há o sentimento de culpa por se sentir um “peso” para o cuidador.
Quando se trata de um adoecimento mental o quadro é muito mais complexo, uma vez que podem ocorrer as mais variadas alterações de humor e comportamentais.
De fato, não é fácil compreender e cuidar de alguém adoecido psiquicamente.

Há uma história de um rapaz que volta da guerra e, ao chegar em seu país, liga para seus pais:
-Pai, mãe, estou voltando para casa. Mas antes quero pedir um grande favor a vocês. Tenho um amigo que gostaria de levar junto comigo para casa.
-Sim filho, claro. Adoraríamos conhecê-lo.
-Mas antes há algo que vocês precisam saber, continuou o filho. Ele foi terrivelmente ferido em combate. Pisou em uma mina e perdeu um braço e uma perna. Pior é que ele não tem lugar para morar.
-Nossa! Sinto muito filho. Quem sabe encontraremos um lugar para ele morar.
-Não mamãe. Eu quero que ele possa morar na nossa casa.
-Filho, você não sabe o que está pedindo. Não tem noção da gravidade do problema. Alguém com tanta dificuldade seria um fardo para nós. Temos nossas próprias vidas e não queremos uma coisa como essa interfira em nosso modo de viver. Acho que você poderia voltar para casa e esquecer esse rapaz. Ele encontrará uma maneira de viver por si mesmo!
Nesse momento o filho bateu o telefone e nunca mais ouviram uma palavra dele.
Alguns dias depois, os pais receberam um telefonema da polícia, informando que o filho deles havia morrido ao cair de um prédio. A polícia, porém, acreditava em suicídio.
Os pais, angustiados voaram para a cidade onde o filho se encontrava e foram levados para o necrotério para identificar o corpo. Para seu espanto e terror, descobriram algo: “O FILHO DELES TINHA APENAS UM BRAÇO E UMA PERNA!”

Muitas pessoas adoecem e sentem medo de dizer que precisam de auxílio e apoio.
Sentir-se um fardo pode ser pesado demais para a alma.
É fácil amar aqueles que são perfeitos, bonitos, saudáveis, divertidos, mas há a tendência a afastar-se daqueles que incomodam ou não nos fazem sentir confortáveis.
Ninguém, obviamente, quer adoecer. Mas, somos máquinas falíveis.
Não encolha as mãos a qualquer pessoa, principalmente doente.
Pense bem!
O desconforto de uma dor, física ou mental, pode precisar do conforto de seus braços.

Comentários

Anônimo disse…
Olá Sentimentos, boa tarde. Um texto importante: quantas vezes o pedido de ajuda não chega até nós de uma forma clara, mas sim codificado, difuso, requerendo um esforço de compreensão da nossa parte. Já me tinha habituado a gostar do que aqui lia. Um abraço e obrigado por tudo.
BLOGZOOM disse…
Este exemplo é profundo, triste e verdadeiro. Eu já conhecia. Contudo, importante de ser lido novamente. Eu sempre observo as pessoas doentes ou deficientes que tem seus pais, já idosos, cuidando deles e os conduzindo nas ruas, fico pensando, quando os pais se forem, quem cuidará de cada um?! Eu me preocupo com quem não conheço. Talvez porque sinto muita falta de interesse e amor entre pessoas proximas. Sabe, a vida tem altos e baixos, é impossível saber como será o futuro. O que importa é fazer o presente.

beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Horizonte comodista

João trabalhava em uma empresa há muitos anos. Funcionário sério, dedicado, cumpridor de suas obrigações e, por isso mesmo, já com seus 20 anos de casa. Um belo dia, ele procura o dono da empresa para fazer uma reclamação: -- Patrão, tenho trabalhado durante estes 20 anos em sua empresa com toda a dedicação, só que me sinto um tanto injustiçado. O Juca,que está conosco há somente três anos, está ganhando mais do que eu. O patrão escutou atentamente e disse: -- João, foi muito bom você vir aqui. Antes de tocarmos nesse assunto, tenho um problema para resolver e gostaria da sua ajuda. Estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoço. Aqui na esquina tem uma quitanda. Por favor, vá até lá e verifique se eles têm abacaxi. João, meio sem jeito, saiu da sala e foi cumprir a missão. Em cinco minutos estava de volta. -- E aí, João? -- Verifiquei como o senhor mandou. O moço tem abacaxi. -- E quanto custa? -- Isso eu não pergunt