Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio 8, 2011

Jaha, quase nada mudou em um século

Jaha, uma moça de 20 anos, jovem negra, no auge da saúde física e mental. Já casada, com 2 pequeninos filhos. Foi contratada para trabalhar como empregada doméstica, o que lhe causara felicidade, afinal precisava cooperar com o marido nas finanças de casa. Logo nos primeiros dias já pôde sentir, na pele, o que seria trabalhar naquele lugar. “minha patroa não deixava eu comer na mesa. Tinha que comer em um quartinho, sentada no chão. Ela mesma fazia o prato para eu comer. Eram os restos deixados nos pratos dos patrões.” “minha patroa fazia escovar todo o carpete da casa com uma escova de dente.” “um dia ela disse que só tinha me contratado porque minha raça é forte e aguenta serviço” “minha patroa queria que, todos os dias, eu esfregasse o quintal e a calçada com um escovão e cloro puro. Ela nunca me deu luvas. O cheiro era forte demais e chegava sair lágrimas dos olhos. Eu esfregava o chão até sangrar entre os dedos.” “ela colocava veneno no quintal para matar os ratos e depois fa

A miséria de cada um

Hoje escutei essa frase: “meu trabalho permite que veja a miséria emocional de muitos” Essa frase permite reflexões importantes acerca de nossas emoções. Se você é ser humano já sentiu medo, raiva, vergonha, tristeza, alegria, angústia em alguns momentos de sua existência. Obviamente, todos nos sujeitamos à dinâmica da vida, que nos conduz entre circunstâncias variadas no cotidiano. Cada um reage a essas circunstâncias conforme aprendeu desde a infância, como parte de um aprendizado e formação de personalidade. Alguns sofrem mais que outros, mesmo diante de situações semelhantes. Mas o que difere? Sem dúvida, a importância que damos a uma situação faz a diferença em nossas manifestações emocionais. Administrar as emoções é saber determinar o valor de cada circunstância. Se fizer de todo fato cotidiano uma dificuldade ou tempestade maior do que deveria, com certeza sofrerá, mais do que precisa. Inegável que, em algumas ocasiões, nossas respostas emocionais serão pr