Pular para o conteúdo principal

Arte Emocional

A lira, instrumento musical de cordas, foi bastante utilizada pelos gregos para acompanhar versos poéticos de forma melodiosa.
Desde o século IV a.C os poemas pequenos, através dos quais os poetas manifestavam sentimentos, tornaram-se conhecidos como poesias líricas, graças à melodia das liras.
Assim, observa-se que o lirismo está associado diretamente à sonoridade da música e do canto. Na literatura é possível notar que as poesias líricas apresentam uma sonoridade peculiar, propiciando ao leitor SENTIMENTOS e EMOÇÕES de forma maravilhosa.
Na música lírica também é assim, manifestando emoções irrefreáveis. É a tônica do lirismo, que poderia ser designado como a ARTE EMOCIONAL.
O lírico pode ser um excelente representativo de estado de ALMA, simbolizando o “eu” e suas experiências e expectativas diante da vida.
Enfim, quem vive a intensidade dos sentimentos consegue identificar-se com as poesias e músicas líricas.
Deleite-se nos versos abaixo e, depois, permita-se viajar na melodia da música.

 Escrevo diante da janela aberta.
Minha caneta é cor das venezianas:
Verde!... E que leves, lindas filigranas
Desenha o sol na página deserta!
Não sei que paisagista doidivanas
Mistura os tons... acerta... desacerta...
Sempre em busca de nova descoberta,
Vai colorindo as horas quotidianas...
Jogos da luz dançando na folhagem!
Do que eu ia escrever até me esqueço...
Pra que pensar? Também sou da paisagem...
Vago, solúvel no ar, fico sonhando...
E me transmuto... iriso-me... estremeço...
Nos leves dedos que me vão pintando!

Mário Quintana




Comentários

BLOGZOOM disse…
É verdade, existe lirismo em algumas poesias e poemas que nos remete o pensamento a lugares quase magicos... e nesses instantes... sentimos até alívio, paz, alegria. Ou mesmo, sabor de sedução, mesmo que não se saiba com quem... mas o lirismo tem magnetismo.

Beijos
Vida*** disse…
Um dia nasce e brilha nos olhos atentos da Vida no caminho veloz do tempo. È bom estar aqui ao passar dos anos nossa história ganha Vida. Desejos,Emoções,Sonhos,Verdades,Fantasias,Coragem,Mistérios...Ao passar do tempo vamos aprendendo a mágia de viver e sentir o sabor de sorrir ou chorar cada conquista cada perda.Emoções que a Vida traz em cada amanhecer.A Vida é o reflexo da Alma***
Nectan Selos disse…
PD

tem um selinho prá você no meu blog selos-mimos.blogspot.com te aguardando, tá bom?

Abração!
Penélope disse…
Hoje estou passando apenas para lhe fazer um convite.
Estou falando do www.superlinks.blog.br que é um site agregador que vale a pena visitar, pois é mais um espaço no qual você poderá publicar seus links de matérias, pois é um site sério e com critérios bem positivos.
Espero que goste da dica.
Um grande abraço
Olá meu bom amigo gostava que me disse-se se eu em alguma coisa o magoei, porque deixou de me visitar, nós não somos obrigados a ir visitar todos os blogues mas confesso que fiquei surpreendida com a sua ausencia.
Mas enfim as pessoas só estão na nossa vida por tempos indeterminados, e também quando Deus quer.
Beijinhos mil e luz e paz no seu caminho...
Caro amigo

Há nestas canções,
a música
de nossas histórias
e a verdade
de nossas almas...

Viver é sentir os sonhos
com o coração.
franciete disse…
Meu querido amigo, permita-me que venha aqui fazer uma rectificação pois fiz o comentário em nome da minha neta, o que na verdade o que eu queria era fazer com o meu onde lhe faço sempre.
Queria também dizer-lhe que estive ausente por motivos de doença, mas agora que me encontro melhor voltei e estava com muita saudade sua pois a sua amizade é muito linda para mim, desejo-lhe tudo de bom em sua vida e perdoe a minha ousadia.
Fique com meus beijinhos de luz e muita paz...
Unknown disse…
Venho deixar um abraço de carinho e beijinhos de luz e paz em sua vida...
franciete disse…
Meu querido amigo estou passando para deixar um abraço amigo com beijinhos de luz e muita paz...

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto