Pular para o conteúdo principal

A miséria de cada um

Hoje escutei essa frase: “meu trabalho permite que veja a miséria emocional de muitos”



Essa frase permite reflexões importantes acerca de nossas emoções.

Se você é ser humano já sentiu medo, raiva, vergonha, tristeza, alegria, angústia em alguns momentos de sua existência.

Obviamente, todos nos sujeitamos à dinâmica da vida, que nos conduz entre circunstâncias variadas no cotidiano.

Cada um reage a essas circunstâncias conforme aprendeu desde a infância, como parte de um aprendizado e formação de personalidade.

Alguns sofrem mais que outros, mesmo diante de situações semelhantes.

Mas o que difere?

Sem dúvida, a importância que damos a uma situação faz a diferença em nossas manifestações emocionais.

Administrar as emoções é saber determinar o valor de cada circunstância.

Se fizer de todo fato cotidiano uma dificuldade ou tempestade maior do que deveria, com certeza sofrerá, mais do que precisa.

Inegável que, em algumas ocasiões, nossas respostas emocionais serão proporcionalmente valiosas, como um verdadeiro mecanismo de defesa, permitindo-nos a sobrevivência.

Muitas vezes, o limite entre sanidade e adoecimento é tão tênue que mesmo quem sofre esse processo psíquico não se atenta para o fato.

Assim, o sofrimento emocional inicia sua trajetória contumaz, determinando a miséria particular de cada ser humano.

Cada um sabe a dor que sente e tem convicção de que é a pior possível a um ser humano.

A sua dor é a maior de todas, até que tropece no calo emocional de alguém e descubra que a dor é sempre algo individual.

Dor, seja física ou emocional, sempre será algo tão particular e impalpável quanto saber definir.

Enfim, a possibilidade do contato com o sofrimento alheio sempre nos possibilitará saber que, muito além de nossas misérias emocionais, há outras piores.

Comentários

franciete disse…
Meu querido amigo venho deixar um beijinho no seu coração, que a nossa amizade perdure no tempo e no espaço.
Jackie Freitas disse…
Olá PD querido!
Acabei de comentar um texto onde coloquei a importância em se administrar as emoções. Estou lendo o livro do Dr. Augusto Cury que trata sobre esse assunto e é muito interessante perceber como reagimos, de diferentes modos, às tantas emoções! Também acho que a dor e o sofrimento é algo particular, onde cada um conduz a sua intensidade... Costumo dizer que depende do olhar de cada um, porque afinal, olhamos ao redor e vemos muitas vezes, dores maiores que as nossas e pessoas as gerenciando de um modo mais sereno... Sempre escutamos as pessoas reclamarem de suas dores e sofrimentos, como se isso fosse "benefício" apenas de alguns escolhidos, e aí, nos perguntamos o que nos diferencia uns dos outros? É justamente o modo como enxergamos e lidamos...
Grande beijo, meu querido! Maravilhosa reflexão!
Jackie
ValériaC disse…
É meu amigo, experienciar a vida é sempre algo muito particular, muito unico, apesar dos sentimentos e emoções levarem o mesmo nome, cada qual sente a sua própria maneira.
Uns tem mais estrutura e conseguem lidar melhor com as situações e dores da vida, outros, são mais frágeis e a vida vai trabalhando cada um, sempre com o objetivo de extrair o melhor de todos, de proporcionar crescimento e despertar.
Está lindo seu espaço amigo...beijos...
Valéria
*lua* disse…
PD saudades deste teu sítio emocional

A máxima: "A dor é inevitável e o sofrimento opcional" Serve para todos os tipos de dores. Jamais saberemos o real peso da dor em determinada pessoa, apenas a nossa. Mas quando a sociedade nos julga, de todo não será ruim, pois somos incentivados mesmo que pela ignorância alheia, a nos superar e assim, podermos vencer algumas batalhas na grande guerra que é viver.

Beijo querido!
Caro amigo

Palavras perfeitas.
Entender a vida,
passa sempre
por entender o outro,
e ao entendermos
o outro,
também nos entendermos
como pessoas verdadeira
que somos.

Que haja sempre
estrelas em teu coração.
BLOGZOOM disse…
Saudades de voce.... Como vai?

Este texto é excelente, eu me vi um pouco nele. Quando vc menciona:
sobre o grau de importância que damos às situações e que isso fará diferença nas manifestações emocionais, sabe, eu sou muito emotiva. As vezes coisas que parecem menos para uns, para mim, é maior. Depende o quanto o meu emocional pode estar envolvido. Se não estiver, eu consigo ser totalmente fria, não digo de ser indiferente, mas capaz de solucionar o que não está agradando de maneira mais tranquila.

Perfeito: "Administrar as emoções é saber determinar o valor de cada circunstância."

Pois bem, esta balança racional é importante para que não troquemos "os pés pelas mãos" e assim conseguiremos pensar antes de agir de maneira equivocada.

Beijos
BLOGZOOM disse…
Facilitei nosso contato: me inscrevi no seu blog! Agora passarei a receber atualizações. E ainda estou lhe seguindo no Facebook.

BEIJOSSSSS
taisoila disse…
É,isso acontece inumeras vezes com muitas pessoas,eu não preciso trabalhar na área para ver o sofrimento de muito...pois ao meu redor já presenciei situações desisperadoras, e infelizmente a inumeras...sabe..as vezes me sinto de mãos atadas,a vontade eh imensa de poder ajudar e talz..mas me sinto impotente pois muitas coisas que queria resolver não está ao meu alcance,mas no que posso ajudo sempre com um prazer enorme! sei lá eh de mim ja o ser voluntário,gosto de ver as pessoas bem e felizes..infelizmente há muitos passando por muitos perrengues isso é triste!
Samanta disse…
Olá PD !!!

Que belo texto !!
Muito verdadeiras as colocações.
Todos temos problemas e desafios ao longo da vida, e na maioria das vezes achamos que os nossos são os piores, os mais importantes e mais urgentes, mas se prestarmos atenção ao nosso redor, veremos que não é bem assim.
Por isso é muito importante a forma como encaramos nossos desafios e também como somos generosos com os problemas alheios, sem ser invasivos, afinal como colocado no texto, cada um tem sua dor única e particular que merece respeito.

Um abração e boa semana !

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto