Pular para o conteúdo principal

E onde estão os seus...??


Mais um ano em seus primeiros dias. A maior parte das pessoas parece estar, ainda, em clima de festas e férias. Época de viagens, passeios e gastos. Mas também de um convívio familiar mais próximo, o que sempre é muito bom.

E quando um novo ano se inicia, surgem muitas promessas: "vou emagrecer", "vou arrumar um emprego", "vou casar", "vou virar gente"......

Epaa!!!....."virar gente"???

Pois é!!...tem gente que não é gente. Tem bicho que é mais gente do que alguns.

Mas para ser gente de verdade, é imprescindível aprender muitas coisas. É fundamental que saibamos a verdadeira importância da vida.

Algumas histórias, por mais tolas que possam parecer, sempre são carregadas de conceitos e exemplos incríveis.

Conta-se que, no século passado, um turista americano foi à cidade do Cairo, no Egito, com o objetivo de visitar um famoso sábio.

O turista ficou surpreso ao ver que o sábio morava num quartinho muito simples e cheio de livros. As únicas peças de mobília eram uma cama, uma mesa e um banco.

- Onde estão seus móveis? Perguntou o turista.

- E o sábio, bem depressa olhou ao seu redor e perguntou também:

- E onde estão os seus...?

- Os meus?! Surpreendeu-se o turista.

- Mas estou aqui só de passagem!

- Eu também... - concluiu o sábio.

Comentários

Jucifer disse…
olá psiquismo !!!
bem guri é como diz a musica
é preciso saber viver ....
e compleender a arte de estar vivo
concordo tem muito animal mais gente
q a gente!!!!
vamos q vamos entaum !!!!
É PRECISO SABER VIVER
SABER VIVER!!!!!

BJO GRANDE
BLOGZOOM disse…
Olá meu querido!

"Pois é!!...tem gente que não é gente. Tem bicho que é mais gente do que alguns.

Mas para ser gente de verdade, é imprescindível aprender muitas coisas. É fundamental que saibamos a verdadeira importância da vida."

Pior é quando sabemos, na nossa experiencia de vida, diferenciar o bichos humanos dos bichos animais e saber qual deles realmente é melhor! beijos
Jorge (Nectan) disse…
tem uma frase (não lembro de quem) que diz que estamos na Terra para re-aprender. Por isso podemos dizer que a nossa responsabilidade é maior, mas que não queremos assumir. Estamos de passagem, sim mas voltaremos o quanto for necessário para ter consciência da re-aprendizagem.

Grande amigo PD, um abraço de muita luz!!!
Anônimo disse…
Lindíssima Mensagem.
Estamos neste Amado planeta apenas para nossa Evolução.
Não deveríamos nos apegar tanto aos bens materiais.
Mas o Ego acaba falando alto... e muitas vezes o que prevalece é a matéria.
Mas esta mensagem deixa bem claro, que devemos procurar crescer e evoluir através dos desafios que nos aparecem.
Muita Luz e Paz em seu coração!
Meu querido amigo passei para deixar um beijinho de luz, paz e as minhas sentidas condolências ao meu querido povo irmão e tão sofrido e que a mãe Natureza tenha clemencia de todos nós.
Abraços de carinho.
Insana disse…
Gostei muito do que li, passou uma mensagem linda vamos refletir sobre.

bjs
Insana
Penélope disse…
É verdade, nós apenas estamos, não somos...
Tudo é nosso pelo tempo em que estamos com o tudo.
Nada nos pertence a não ser a alma que deve ser sempre carregada de AMOR...
Abraços
Catia Pipoca disse…
Q blog mais lindo!! Belos textos, tudo mto bem montado e feito com carinho. Parabéns.
Caro amigo

São estas histórias,
de palavras simples,
as que mais falam ao coração.
Sem disfarces.
Sem falsas interpretações.

Que sempre haja tempo para os sonhos
em tua vida.
franciete disse…
Pois é meu querido amigo, tem gente que veio a cá a pensar que ficava, nada trouxe, nada leva, e, tudo que por cá tem foi-lhe emprestado, mas coitados pensam que são donos do mundo.
É certo que em alguns níveis podem mostrar alguma coisa, mas apenas ignorância, porque estamos sempre a aprender mas sempre ignorantes.
Tenho saudades das suas palavras de conforto, beijos de luz e muita paz.

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto