Pular para o conteúdo principal

Tão bom viver



"Tão bom viver dia a dia...

A vida assim, jamais cansa...


Viver tão só de momentos


Como estas nuvens no céu...


E só ganhar, toda a vida,


Inexperiência... esperança...


E a rosa louca dos ventos


Presa à copa do chapéu.


Nunca dês um nome a um rio:


Sempre é outro rio a passar.


Nada jamais continua,


Tudo vai recomeçar!


E sem nenhuma lembrança


Das outras vezes perdidas,


Atiro a rosa do sonho


Nas tuas mãos distraídas..."

-Canção do dia de sempre-
Mário Quintana


Comentários

angela disse…
Excelente escolha, um poema muito sensível de Quintana.
beijos
*lua* disse…
A vida e seu dom de recomeçar, pois desta forma, sempre está a nos apresentar oportunidades, na mesma quantidade que nos acovardamos a crescer e realmente enxergar que temos um total explendor de vida aos nossos olhos. PD agradeço teu carinho, que me é de fundamental importância! Que bom voltastes, é sempre um prazer enorme ler-te!
Jorge disse…
Tudo é recomeço. tem razão em não dar nome ao rio pois a água é sempre nova, como que reiniciando uma nova vida ou etapa.
Vivenciar o agora é ter certeza de que a vida vale a pena viver.

Um grande abraço, PD!
Alma Aprendiz disse…
Olá meu amigo querido!
Que poema lindo!
Gostei muito,e aproveito a oportundade desses versos para lhe atirar uma rosa em seu coração,com todo o amor do mundo!
Beijos de muita luz!
Ana Cavalcantti disse…
Oiii
Mudei de blog e voltei pra te seuir com o blog novo ...
É mais ou menos como seu post rs...um recomeço rs !
Faz bem inovar tb né...e a vida recomeça todos os dias qdo abrimos nossos olhinhos...nao é verdade ?
Beijos
Parábolas simples que ensinam muito. conhecer-se é o caminho mais curtinho para a felicidade. Lindo mesmo!
Ana Agarriberri disse…
Que lindo, parabéns pela escolha do texto. Quintana é fantástico.
Beeejo,beeejo.
franciete disse…
Meu querido amigo gostei muito do poema, é sempre um enorme prazer vir visitar este espaço.
Beijinhos de luz e paz em seu coração
Atena disse…
Enquanto Quintana era vivo eu o chamava de meu velhinho querido.
A simplicidade de seus poemas me encantam e quanta sabedoria neles contida.
Ganhei o dia.
abraços
BLOGZOOM disse…
É bom viver, há beleza, há vida, há pessoas especiais... e nós somos importantes, por isso um dia nascemos.

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto