Pular para o conteúdo principal

Parlendas e nossas lembranças

"Hoje é domingo

Pé de cachimbo

Cachimbo é de barro

Bate no jarro

O jarro é de ouro

Bate no touro

O touro é valente

Bate na gente

A gente é fraco

Cai no buraco

O buraco é fundo

Acabou-se o mundo."
 
Nessa data, 22 de agosto, o Brasil comemora o Dia do Folclore.
A palavra surgiu a partir de dois vocábulos saxônicos antigos. “Folk”, em inglês, significa “povo”. E “lore”, conhecimento. Assim, folk + lore (folklore) quer dizer ”conhecimento popular”. O termo foi criado por William John Thoms (1803-1885), um pesquisador da cultura européia que, em 22 de agosto de 1846, publicou um artigo intitulado “Folk-lore”.
 No Brasil, após a reforma ortográfica de 1934, que eliminou a letra k, a palavra perdeu também o hífen e tornou-se “folclore”.
Folclore é o conjunto de todas as tradições, lendas e crenças de um país. O folclore pode ser percebido na alimentação, linguagem, artesanato, religiosidade e vestimentas de uma nação. O folclore brasileiro, um dos mais ricos do mundo, formou-se ao longo dos anos principalmente por índios, brancos e negros.
Dentre tantas manifestações folclóricas e culturais que poderiam se citadas e lembradas, há dois tipos especialmente, utilizadas como manifestação oral e que marcaram nossas infâncias.
A parlenda, também chamada parlanda ou parlenga, tem origem em "parolar", "parlar", que significa falar muito, tagarelar, conversar sem compromisso. É um conjunto de palavras com pouco ou nenhum nexo e importância, de caráter lúdico, muito utilizado em rimas infantis, versos curtos, ritmo fácil, com a função de divertir, ajudar na memorização, compor uma brincadeira. Pode ser destinada à fixação de números, dias da semana, cores, assuntos.



E quem não se lembra dessas?:




"Um, dois, feijão com arroz.


Três, quatro, feijão no prato.

Cinco, seis, bolo inglês.

Sete, oito, comer biscoito.

Nove, dez, comer pastéis" .



"Batatinha quando nasce

se esparrama pelo chão.

Menininha quando dorme

põe a mão no coração".



"O cravo brigou com a rosa

debaixo de uma sacada

O cravo saiu ferido

e a rosa despetalada".



"Chuva e sol,

casamento de espanhol.

Sol e chuva,

casamento de viúva".


Cadê o toicinho daqui?

O gato comeu.

Cadê o gato?

Foi pro mato.

Cadê o mato?

O fogo queimou.

Cadê o fogo?

A água apagou.

Cadê a água?

O boi bebeu.

Cadê o boi?

Foi amassar trigo.

Cadê o trigo?

A galinha espalhou.

Cadê a galinha?

Foi botar ovo.

Cadê o ovo?

O padre bebeu.

Cadê o padre?

Foi rezar a missa.

Cadê a missa?

Já se acabou!

 E para travar a língua um pouquinho:


O rato roeu a roupa do rei de Roma. O rei roxo de raiva rallhou pra rainha remendar.



Quem a paca cara compra, cara a paca pagará.


Debaixo da pia tem um pinto, quando a bica pinga, o pinto pia.


O peito do pé do pai do padre Pedro é preto.


A babá boa bebeu o leite do bebê.



Farofa feita com muita farinha fofa faz uma fofoca feia.


E quem nunca gostou?


 

Comentários

Essa mistura de etnias no Brasil é algo incrivelmente lindo. Obra do acaso, do acaso cruel por vezes, como a escravidão de índios e negros, mas que resultou numa riqueza cultural ímpar.

Não tenho dúvida alguma: somos o pais que ainda vai ensinar ao mundo uma nova lição. Somos o único que tem essa sabedoria de misturar todas as cores e línguas.

Só nos falta um pouquinho mais de maturidade. Só um pouquinho.

E alguma sorte, para escaparmos da vala comum do consumismo desenfreado; de drogas e bugigangas tecnológicas.

Abraços
ValeriaC disse…
Legal você nos fazer lembrar disto amigo...
Que sua semana seja abençoada...beijos
Valéria
*lua* disse…
PD, formosas lembranças, poré, consigo tirar do folclore e colocá-las em nossa vida real ... impressionante ... algumas verdades embutidas em puras inocências! Beijo
Alma Aprendiz disse…
Amigo querido

Gostei muito, me fez lembtar a minha infância que aliás foi à pouco tempo atrás rsrsr
Não é mesmo????????

Um grande beijo com muito carinho
Unknown disse…
Gosto muito, aprendi com a vó e recitava estas parlendas (nem sabia o nome) para os filhos, neto,sobrinhos. São os fios que unem as gerações. ainda bem.
beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto