Pular para o conteúdo principal

Escritas e perspectivas

Tudo depende de suas atitudes.
E as atitudes controla m nossas vidas.
A disposição interior, mais que qualquer outra coisa, pode dar a perspectiva adequada e a faculdade para resolver qualquer situação no roteiro de sua vida.


Então, olhando para essas folhas em branco, o que você pensa?
Que roteiro seria sua escolha ideal?



"Os desejos da vida formam uma corrente cujos elos são as esperanças."
Séneca

Comentários

BLOGZOOM disse…
Bela mensagem, eu fiquei olhando sim para o papel branco e pensando o que poderia reescrever sobre minha vida.
Insana disse…
Escrever é sempre tao dificil já que dependemos de quem saiba ler.

bjs
Insana
Impulsiva disse…
Olá, finalmente pude vir retribuir sua visita...

A mensagem é curta, porém cheia de reflexões e verdade...eu sou uma metamorfose ambulante, reescrevo a minha vida todos os dias...

Grande abraço,
Kenia Araújo.c
*lua* disse…
"Que os caminhos que eu seguir sejam conforme vontade de Deus, e se o contrário ocorrer, que Deus não me abandone, me inspirando fé para dar a volta por cima." Beijo
ValériaC disse…
Querido amigo...bela mensagem...
Ao olhar este papel em branco...me lembrei que todos somos autores de nossas próprias histórias...que façamos bom uso de nosso livre arbítrio, que façamos obras do Bem, do amor...que tenhamos discernimento em escrever cada detalhe nesta folha da vida...
Beijos...
Valéria
Ana Cavalcantti disse…
Oieeee !
Com certeza o rumo de nossas vidas depende de nós mesmos !
Eu acredito demais que cada um faz seu futuro...tombos acontecem, faz parte da luta pela sobrevivencia !
Quem sonha, almeja e se dispõe para tal....conquista !!
E o bom é que se essa folha em branco ficar mal escrita....sempre temos tempo para amassar e começar de novo !
Beijos !

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto