Pular para o conteúdo principal

O fantástico reino de João

João não sentia fome,

Mas guardava a comida sob o boné.

-Porque isso João?

-Porque minha cabeça tem fraqueza e precisa se alimentar.

João sentia coceira pelo corpo,

Foi até a loja e comprou um remédio.

-Agora sim! Acabaria com a coceira.

O veneno acabaria com os bichinhos

que andam sob sua pele.

João sentia seu corpo sujo por dentro.

Pensou na maneira mais fácil.

-agora sim! Corpo limpo

Tomava detergente e alvejante todo dia

João não gostava de passear

Então resolveu seu problema

Arreou o cavalo,

E lá, montado, foi o gato

João tinha medo do escuro

Por isso acendia uma vela em seu quarto

Mas como solta fumaça

João a mantinha apagada.

João se sentia solitário

De repente não mais

Arrumou amigos que falam o tempo todo

Acabou a paz

Agora João já não dorme

Seus amigos falam, falam e até o comandam

Através de um rádio de controle remoto.

João, João, Ahh João!!

Cada dia uma aventura diferente

Nesse reino que é sua mente
 
E você? Quais são suas muletas para sustentar a realidade?

Comentários

Jorge disse…
A minha muleta é o Amor, que dá a harmonia para poder compreender a minha vida.
Sigo caminhos que escolho e assumo a responsabilidade pela escolha. Isso é Amor.

Grande amigo,
deixo um forte abraço em teu coração!!
Mr.Jones disse…
As minhas muletas para enxergar a realidade "meus pés que me mantem fixado na terra. E as noticias ruins que vejo todos os dias" Se nao fosse isso, eu continuaria vivendo no meu mundo.
abçs
*lua* disse…
Que texto mais bonitinho, chega ser bem engraçado ... é engraçado ler nossas artimanhas ... é engraçado nos ver tão tolinhos, querendo enganar a quem?! beijo
Unknown disse…
Ja dizia minha avó ... cabeça vazia templo do satanás ... ou não.
Valdeir Almeida disse…
Minha muleta é a própria verdade. É preciso ter a verdade sempre como divisa.

Muito bom o texto.

Abraços.
ValériaC disse…
Amigo...um texto para realmente refletirmos...e nos lembramos que temos que apoiar a nos mesmos...podemos conviver e compartilhar com amigos, o que maravilhoso...mas temos que ter como suporte nossos valores, nossa fé, nossas escolhas baseadas no discernimento do Amor.
Um carinhoso abraço...
Valéria

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto