Pular para o conteúdo principal

O fruto interior


Somos fruto de nossa fonte interior, e não, meramente, das circunstãncias externas.
Não convém culpar os pais por não ter conseguido ser isto ou aquilo, pois os pais deram ou fizeram o seu melhor,  senão certamente o melhor que sabiam ou conseguiam fazer. Pode, até mesmo, em alguns casos haver exceções, mas isso não justifica impedimentos para lutar por conseguir ser ou ter aquilo que se deseja.
Os pais exercem seus papéis, principalmente em nossas infâncias,  época em que necessitamos de mais orientações e aprendizagens sobre a vida. Mas, cabe a cada um assumir seu papel no seu caminhar.
Olhe bem para dentro de si. A única razão de ser ou ter está únicamente dentro de cada ser. Cada um determina o que é  essencial para sua jornada.
Se teve caminhos difíceis lute, a partir do aqui e agora e seja você o responsável único pelo seu caminhar.
É mais fácil culpar os outros, do que lutar, do que trabalhar para mudar.
Culpar os outros por não conseguir ser ou ter aquilo que queria, não torna a vida mais fácil. Está dentro de si a capacidade para mudar, para evoluir e crescer.

Lute, porque a vida está cheia de obstáculos transponíveis.

Comentários

franciete disse…
Obrigado meu querido amigo pelo carinho dedicado, sempre pronto a doar seu ombro para que possamos nele deitar a cabeça.
De facto eu jamais iria culpar os meus progenitores, pois se tudo aquilo que passei estava escrito, e era a meta de vida que estava destinada para mim.
Ninguém vem ao mundo para levar nas costas os fardos de cada um, todos temos os nossos, e a vida segue em frente com mais ou menos gloria.
Que feliz eu sou só de saber que no seu céu há uma estrelinha que brilha para mim.
Beijinhos de luz e paz em seu coração.
Vida*** disse…
Obrigada,Por sua Amizade!! Tdos os dias ao amanhecer...Renascemos.Com FÈ*** ESPERANÇA***AMOR***.Que o sol irradie muita luz em seu caminhar!!A Prsistência é o caminho do êxito!! (Charlim Chaplim) Namastê.
Jorge disse…
Amigo PD

Disseste tudo na frase "é mais fácil culpar os outros".
Não queremos assmir a nós mesmos porque para tanto teremos de nos conhecer. Poucos, acredito, estão dispostos a se encarar, se conhecer, se aceitar e viver em funçaõ do que é.

Grande amigo, deixo um super abraço de amizade e que possas ter um fim de semana de muita paz e alegria!!!
franciete disse…
Meu querido amigo, nem de perto eu poderia pensar tal coisa, eu só gosto de comentar as coisas e nem tão pouco me preocupou isso.
Pois esteja sempre à vontade, porque eu sempre saberei respeitar, amigos são assim mesmo não se cobram ajudam-se e de certo modo eu sempre vejo ajudas deles.
Beijinhos de luz e paz
PS: adorei a sua nova foto de apresentação é linda.
Valdeir Almeida disse…
Quem culpa os outros pela vida que tem, é porque não quer arregaçar as mangas para superar as perdas.

É necessário empenhar toda energia nos próprios passos em vez de perdê-la com murmurações.

Abraços e ótimo domingo.
Vejo tantos exemplos de pessoas que com fé e força e vontade conseguem vencer qualquer obstáculo, mesmo tendo debilitações físicas! É isso aí! É preciso lutarmos para crescer e evoluir!

Grande abraço!
Maysha disse…
Ola bom dia meu amigo.
Pois é , eu fiz tanta coisa errada, mas como iria culpar os meus pais se eles me deram o seu melhor?
Bom mesmo, é assumirmos os nossos erros, irmos à luta, mudar, evoluir, e não culpar ninguem. Somos responsáveis pelos nossos erros e fracassos, mas estamos sempre a tempo de mudar.

Um bom domingo para ti, beijo de luz
Isa
*lua* disse…
Olá meu amigo bom dia para ti!!!

A palavra culpa deveria oo menos ser substituída por quem sabe "interferência" que é o máximo que alguém pode agir sobre o outro uma ligeira interferência, pois estamos vivos para aceitar, transformar e aprender com essas fagulhas do outro.

uma ótima semana para ti!!!

abraços

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto