Pular para o conteúdo principal

Matronalia - Dos titãs às Mães


As histórias da mitologia grega clássica são fascinantes.
Segundo a mitologia, 12 deuses nasceram no início dos tempos. Eram chamados Titãs, os quais nasceram da união entre Urano, que representava o Céu, e Gaia, que seria a Terra. Os titãs eram seres híbridos, nenhum era humano por completo e todos tinham o poder de se transformar em animais.

Fonte de Cibeles - Madri
Os titãs eram: Oceanus( o rio que circundava o mundo ), Céos ( inteligência ), Crio ( titã do frio e inverno ) assim como dos rebanhos e das manadas ), Hipérion ( o fogo astral e a visão ), Jápeto, pai de Prometeu (ancestral da raça humana), Cronos ( que destronou Urano e foi rei dos titãs ), Febe ( lua ), Mnemosine (memória ), Reia( rainha dos titãs com Cronos ), Témis ( justiça ), Tétis ( deusa do mar ), Teia ( visão e luz ). Tinham 3 irmãos chamados hecatonquiros, que eram monstros de 100 mãos e governavam os terremotos, e também 3 irmãos ciclopes, que governavam os relâmpagos.
No início dos tempos, Urano fazia seguidos filhos em Gaia, mas, como não se afastava dela, seus descendentes, entre eles os titãs, permaneciam presos no ventre da mãe.
Urano iniciou um conflito com os titãs ao encarcerar os hecatonquiros e os ciclopes no Tártaro ( mundo subterrâneo dos mortos ). Gaia e os filhos revoltaram-se, e Cronos cortou com uma foice os órgãos genitais do pai, atirando-os ao mar. Essa é uma interessante metáfora mitológica, pois é uma original maneira de explicar a separação entre o Céu e a Terra, que teria permitido o início da vida.
O sangue de Urano, ao cair na terra, gerou os gigantes; da espuma que se formou no mar, nasceu Afrodite.
Com a destituição de Urano, os titãs libertaram os outros irmãos e aclamaram Cronos como rei ( que imediatamente casa-se com Réia ) e voltou a prender os hecatonquiros e os ciclopes no Tártaro.
Cronos e Réia produziram descendência numerosa: Héstia ( Deusa do lar ), Deméter ( agricultura e fertilidade), Hera ( deusa da fidelidade, rainha do Olimpo ), Hades ( deus do mundo inferior ), Posêidon (deus dos oceanos ) e Zeus deus dos deuses, rei do Olimpo ). Avisado de que os filhos o destituiriam, Cronos engoliu a todos, exceto Zeus, salvo porque a mãe o esconde com as ninfas e centauros, e em seu lugar oferece uma pedra enrolada em um pano, para que Cronos coma.
Ao tornar-se adulto, Zeus fez Cronos beber uma poção que o forçou a vomitar os filhos, e uniu-se aos irmãos, os deuses olímpicos na guerra contra os titãs, chamada titanomaquia, nas planícies da Tessália, pela posse do Monte Olimpo. Esse conflito culminou com a derrota de Cronos e dos titãs, confinados por Zeus no Tártaro.
Pois bem, essa resumida história sobre a mitologia grega e os primórdios dos deuses, tem uma função básica:
falar sobre Réia, esposa de Cronos e mãe de Zeus.
Réia é a mãe dos deuses, e uma deusa da fertilidade feminina, a maternidade, e de geração. Seu nome significa "fluxo" e "facilidade". Como a mulher de Cronos (Tempo), ela representou o eterno fluxo do tempo e das gerações, como a Grande Mãe. O fluxo era sangue menstrual, as águas do nascimento e o leite materno. Ela também era uma deusa de conforto e facilidade.
Réia, na mitologia romana, era chamada Cibele, representada como uma venerável matrona que estende a mão direita oferecendo socorro, e que com a esquerda dá pão ao pobre. Era também considerada com a deusa das riquezas. O seu nome quer dizer socorro, auxílio, assistência. Não há que admirar de ver-se a Terra, tantas vezes personificada sob denominações diferentes. Fonte inesgotável de riquezas, mãe fecunda de todos os bens, ela se oferecia à adoração dos povos sob vários aspectos, conforme o clima e a região; daí, as múltiplas lendas e os seus inumeráveis símbolos. 
Era representada, frequentemente, com uma coroa de muralhas, com leões por perto ou num carro puxado por esses animais.
Na Roma antiga, o feriado de Matronalia era comemorado anualmente no início de março, em comemoração à deusa Juno ( mitologia romana ), chamada Hera na mitologia grega, filha de Réia.
Mais tarde, a matronalia evoluiu para o dia das Mães na Europa. Durante a Idade Média, quem tinha mudado de casa voltaria neste dia à sua mãe, visitando as famílias que ainda permaneciam na aldeia. Funcionários eram autorizados a colher flores dos jardins de seus senhores. Daí talvez venha o costume de oferecer flores às mães nessa data.

Assim, deixo minha homenagem a todas as mulheres, que já são ou serão mães.
Indubitavelmente são seres especiais, abençoadas pela maternidade e pelo dom de nos confortar.

Comentários

*lua* disse…
Olá bom dia meu amigo!!!

Nesse frio é sempre convidativo te vistar e esquentar a alma com tua sabedoria ... grega.

Bo semana para ti e abraços.

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto