Pular para o conteúdo principal

Davi e Golias

Dia desses, à beira de um rio, estava admirando a tranquilidade e a beleza do local.
Algo, de repente, chamou-me a atenção do outro lado do rio. Havia um  grande gavião sobrevoando insistentemente uma árvore. Fiquei observando curiosamente, sem compreender o que pretendia. 
No mesmo instante enxerguei dois beija-flores ( creio que fosse um casal ) voando alucinadamente ao redor desse gavião. Deduzi que estariam protegendo seu ninho. Foi mais uma cena fantástica e inesquecível da natureza. A batalha durou, creio, uns 10 minutos. O gavião subia e descia como uma flecha. Fazia curvas e voltava ao mesmo ponto. Mas os beija-flores estavam ali, voando insistentemente, batendo suas asinhas com tamanha rapidez que era impossível enxergá-las. Às vezes parecia que atacavam o gavião, outras pareciam apenas circular ao seu redor. Que cena inesquecível !! Como pode um pequenino beija-flor encarar um enorme gavião de peito aberto? É impossível, não é mesmo? A pata do gavião era maior do que o beija-flor. Mesmo assim, inacreditavelmente o gavião foi embora. Ele desistiu!!...desistiuuuu.
Fiquei ali divagando sobre o acontecido, enquanto mal enxergava o gavião desaparecendo, como uma silhueta distante contra o brilho ofuscante do céu, contrapondo-se à dança alegre dos beija-flores. E tenho certeza que estavam alegres. Muito alegres.
Por que o gavião desistiu? São aves fortes, de grande envergadura, rápidas, caçadoras destemidas.
Mas e o beija-flor? Tão pequenino e delicado, mas extremamente ágil.
O tamanho e a força não foram suficientes para sobrepujar os beija-flores. Foram corajosos, destemidos.
Não se detiveram diante da imponência do inimigo. Ousaram e acreditaram. Sua auto-confiança venceu a batalha.
Ninguém jamais consegue qualquer coisa de importância se não aproveitar de seus potenciais. O potencial que existe em nós só vai se manifestar diante das adversidades da vida, e, quanto maiores, mais eficientes nesse sentido, desde que tenhamos as atitudes corretas.
As adversidades ou frustrações poderiam ser gigantes a vencer. Prefere chorar e correr? Que tal fazer como o beija-flor?



Comentários

Jorge disse…
Grande PD

beleza de texto.
Sabes escrever muito bem. E com que facilidade.
Sou mais o beija-flor, que com sua aparente fragilidade, amnteve a coragem e confiança em si mesmo.

Parabéns, grande amigo escritor!!

Abraços!!!
angela disse…
Inspirado texto.
beijos
Insana disse…
A vida naos da peguenos prazeres e nem sempre paramos para olhar..
lamentavel como nos perdemos em nossos problemas.

Bjs
Insana
Rose disse…
Olá! Bela reflexão, afinal não somos tão pequenos diante das adversidades da vida, todos temos potencial para superar obstáculos .
Parabéns, abraços!
ValériaC disse…
Amigo, amei o seu texto e confesso que temi pelos filhotinhos...
Sejamos mais beija-flores na vida...sem dúvida...um exemplo de coragem e perseverança.

Um grande abraço
Valéria
*lua* disse…
Que escrita esculpida em cores de arco-íris de sensibilidade ...

sem palavras!
*lua* disse…
Olá meu querido!
Passando deixando meu beijo, abraço e desejo de ótimo final de semana para ti!!! Paz no seu coração!
Jorge disse…
Amigo PD

Tem um selinho prá ti, no meu cantinho.

Abração!

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto