Pular para o conteúdo principal

DEPRESSÃO: O Mal do século?

 Van Gogh

Cuidando da Saúde Mental

“minh ’alma é triste como a flor que morre. Perdida à beira do riacho ingrato; nem beijos dá-lhe a viração que corre. Nem doce canto o sabiá do mato.” ( Casimiro de Abreu )

DEPRESSÃO: O Mal do Século?

A tristeza é dos sentimentos humanos o mais doloroso. Todos tomamos contato com ela em algum momento de nossas vidas. A tristeza passageira, a “fossa” ou “baixo-astral”, o “estar-down” fazem parte da vida e são superados após algum tempo. O luto, após a perda de um ente querido, manifesta-se por um sentimento de tristeza e vazio e também é superado no decorrer do tempo. Porém, deve-se distinguir a tristeza e o luto ( sentimentos inerentes ao ser humano ) da DEPRESSÃO.
A DEPRESSÃO é uma doença, como qualquer outra que possamos ter, que se caracteriza por uma tristeza profunda e duradoura, sem qualquer motivo aparente, e não apenas a sensação de tristeza passageira, com perda do interesse por tudo que trazia prazer a essa pessoa.
Historicamente, há relatos seculares sobre a depressão, como na ILÍADA DE HOMERO, em que o suicídio de Ájax foi decorrente de um quadro depressivo. Também no Antigo Testamento é possível ver uma transcrição de quadro depressivo ocorrido com o Rei Saul.
É uma doença bastante comum, sendo que todo ano, uma em cada vinte pessoas apresenta depressão, e, ao longo da vida, as chances de alguém ter depressão são de 15%. Manifesta-se mais frequentemente no adulto, embora possa ocorrer em qualquer faixa de idade, da criança ao idoso, e mais frequentemente nas mulheres do que em homens ( duas vezes mais ).
As causas da depressão são muito discutidas, sendo consideradas desde orgânicas, psicológicas a sócio-ambientais. Sabe-se que a genética ( hereditariedade ) é um fator preponderante e associada a um fator estressante ambiental pode colaborar para o desencadeamento. Mas o que se tem observado é a ocorrência, muitas vezes, em pessoas que não apresentam história familiar ou fatores estressantes.
Sente-se uma tristeza intensa, que não consegue vencer. Pode achar que é uma “fraqueza de caráter” e sentir vergonha de pedir ajuda. Os principais sintomas da depressão são: tristeza profunda e duradoura, perda de interesse e prazer por atividades antes apreciadas, falta de energia, sentimento de vazio, desânimo, pensamentos negativos e pessimistas. Além destes, é comum insônia, perda do apetite, ansiedade e queixas físicas vagas (dor de cabeça e no estômago, dores musculares). Mas há variantes da depressão, nem sempre se apresentando tão facilmente diagnosticada. Por isso, a importância de procurar um psiquiatra, que é o médico especialista.
O tratamento da depressão é realizado com medicações antidepressivas, podendo haver associação de outras medicações, podendo, muitas vezes, ser associado o tratamento psicoterápico. As medicações antidepressivas permitem a recuperação gradual da depressão (em geral em algumas semanas), além de proteger a pessoa de novas crises. Por isto, muitas pessoas precisam tomá-los por um longo período de tempo e às vezes por toda a vida.
Enfim, é muito importante não sentir medo ou vergonha de procurar ajuda profissional quando perceber que algo está errado, já que os medicamentos podem demorar algum tempo para agir em sua maior eficácia, e quanto antes feito o tratamento, maiores são as chances de melhorar rapidamente, sem muitos prejuízos. As pessoas sem tratamento tendem a ter episódios depressivos mais longos e graves, com tendência a se cronificar. Não se pode desanimar, principalmente no início do tratamento, e o apoio e compreensão dos familiares são imprescindíveis e fundamentais.

Comentários

Jorge disse…
Grande amigo PD

uma aula e tanto. É um grande mal que assola os homens. Sinal que a vida nos aponta o dedo para as nossas próprias deficiências, que, necessitamos harmonizar, através da constante superação. Me pergunto se não houvesse esses males, será que buscaríamos a nossa melhoria?

Amigo, um forte abraço!!!
*lua* disse…
Olá meu amigo ...

Tenho a opnião que cada vez mais a medicina deve caminhar em paralelo com estudos na área emocional-espiritual, como algum tempo a USP já implementa em algumas áreas médicas, dessa forma se poderá fazer um leitura que contemple o ser humano em sua totalidade, não apenas, na maioria da vezes, tratamento das consequências do que nosso corpo sofre. E depressão é um grande exemplo, cada vez mais sendo mapeada geneticamente, porém, pode-se trabalhar os fatores que a predispõe a ocorrer em determinada pessoa. É uma doença de alerta mundial, devendo estar no foco principal de pesquisas, pois está presente em todas faixas etárias, situação econômica. Convivemos com ela através do outro, quando raramente não conosco.

abraços
angela disse…
Um bom texto sobre esse assunto dificil.
beijos
Unknown disse…
atualmente e inacreditavelmente, estou estável já faz um bom tempo, com uso de antidepressivo mais ansiolítico. :)
é uma benção ter ânimo de novo :)
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto