Pular para o conteúdo principal

Cavalinho de pau


Certa tarde o paizao saiu para um passeio com as duas filhas, uma de
oito e a outra de quatro anos.

Em determinado momento da caminhada, Helena, a filha mais nova, pediu
ao pai que a carregasse, pois estava muito cansada para continuar
andando.

O pai respondeu que estava também muito fatigado, e diante da
resposta, a garotinha começou a choramingar e fazer "corpo mole".

Sem dizer uma só palavra, o pai cortou um pequeno galho de árvore e o
entregou à Helena dizendo :

-- Olhe aqui um cavalinho para você montar, filha !

Ele irá ajudá-la a seguir em frente.

A menina parou de chorar e pôs-se a cavalgar o galho verde tão rápido,
que chegou em casa antes dos outros.

Ficou tão encantada com seu cavalo de pau, que foi difícil fazê-la
parar de galopar.

A irmã mais velha ficou intrigada com o que viu e perguntou ao pai
como entender a atitude de Helena.

O pai sorriu e respondeu dizendo :

-- Assim é a vida, minha filha.

 
As vezes a gente está física e mentalmente cansado, certo de que é
impossível continuar.

Mas encontramos então um "cavalinho" qualquer que nos dá ânimo outra
vez.

Esse cavalinho pode ser um bom livro, um amigo, uma canção... assim,
quando você se sentir cansada ou desanimada, lembre-se de que sempre
haverá um cavalinho para cada momento, e nunca se deixe levar pela
preguiça ou o desânimo.

A mais completa perda de tempo de todos os dias é
aquela na qual você não sorriu nem uma vez !

Comentários

Ó meu querido amigo, quanta falta fará cavalinhos de pau ou de qualquer outro material, para tantas pessoas que estão sofrendo neste momento.
Que Deus lhes entregue cavalinhos de água,comida, e de outros mantimentos tão necessários nas vidas que ainda restam.
Beijinhos de luz em seu e deles corações, que Deus seja misericordioso amém.
Um dia com a alma já cansada
Sentei-me à tua porta pra te ver
Olhei há minha volta e não vi nada
Do tanto que eu levara pra dizer


Adormeci no degrau da tua porta
O frio me regelara as entranhas
Acordei em sobressalto alucinante
Era o pregão do homem das castanhas

Beijinhos de luz em seu coração
Norma Villares disse…
É tão amaciar o coração da criança interior.

Amaciou bem!

Adora esta rosa no início do blog, dá uma paz. Muito linda, viu.

Abraço afetuoso

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto