Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho 7, 2009

Voe...alcance o sol....

Um homem encontrou um ovo de águia e o colocou debaixo da galinha que chocava seus ovos no quintal. Entre a ninhada de pintos nasceu uma aguiazinha que, entre as outras aves, suas "irmãs", cresceu normalmente. Durante todo o tempo a águia fazia o mesmo que faziam os pintinhos, convencida de que era igual a eles. Ciscava, ia ao chão buscando insetos e pipilava como fazem os pintos. Como eles, também batia as asas, conseguindo voar um metro ou dois, porque, afinal de contas, é só isso que um frango pode voar. Passam anos e a águia ficou velha... Certo dia, ela viu, riscando o espaço, num céu azul, uma ave majestosa, planando, no infinito, graciosa, levada docemente pelo vento sem sequer bater as asas douradas. A águia do chão olhou-a com respeito e logo perguntou ao seu amigo: - Que tipo de ave é aquela que lá vai? - É uma águia! É rainha - diz-lhe o amigo - mas é bom não olhar muito para ela, pois nós somos de raça diferente, simples frangos do chão e nada mais. Daí por diant

Luz na escuridão

Um dia, um menino de 3 anos estava na oficina do pai, vendo-o fazer arreios e selas. Quando crescesse, queria ser igual ao pai.Tentando imitá-lo, tomou um instrumento pontudo e começou abater numa tira de couro. O instrumento escapou da pequena mão, atingindo-lhe o olho esquerdo. Logo mais, uma infecção atingiu o olho direito e o menino ficou totalmente cego. Com o passar do tempo, embora se esforçasse para se lembrar, as imagens foram gradualmente desaparecendo e ele não se lembrava mais das cores. Aprendeu a ajudar o pai na oficina, trazendo ferramentas e peças de couro. Ia para a escola e todos se admiravam da sua memória. De verdade, ele não estava feliz com seus estudos. Queria ler livros. Escrever cartas, como os seus colegas. Um dia, ouviu falar de uma escola para cegos. Aos dez anos, Louis chegou a Paris, levado pelo pai e se matriculou no instituto nacional para crianças cegas. Ali havia livros com letras grandes em relevo. Os estudantes sentiam, pelo tato, as formas das let