Pular para o conteúdo principal

Odisséia do primitivismo



Vive-se em uma sociedade hipócrita, rotulante, que aponta o dedo e esconde preso em suas costas outros tantos males ou erros, que se repetem ao longo de sua história.
Essa situação vexatória da universitária, que esteve nas últimas notícias da mídia, abre um leque muito vasto de debates socio-filosóficos.
O que é a sociedade hoje?

Que labirintos somos nós? 

Onde permeiam as noções de caráter, moral e ética?

Que violência é mais reprovável? Dos jovens, da mídia, do Estado?

Esse fato da universitária fez-me relembrar imediatamente Kubrick e seus excelentes "Laranja Mecânica" e "2001, uma Odisséia no espaço". Não há como não pensar nestes filmes.

Será que o primitivismo demonstrado na cena dos macacos (2001, Odisséia) mudou ou está apenas travestido em uma pseudo-liberalidade-moderna? 

A sociedade caminha, apressadamente, para a extinção de valores e da própria humanidade. O ser humano é, creio, a única espécie animal na Terra, que age com Crueldade.
Temos uma sociedade voyerista, ignorante, que adora "reforçar seu intelecto e cultura" assistindo programas na TV, com mulheres seminuas, cultuadas como frutas comestíveis ( que se come e joga a casca ou o bagaço fora)--e aqui cabe um adendo à integridade e preservação feminina, que vem se perdendo e desvalorizando.
Essa mesma sociedade adora assistir histórias folhetinescas na TV que mostrem cenas de violência, traições, insinuações de sexo, com cenas claras --e cabe aqui um adendo à integridade e educação de nossos filhos. Se teu filho não assisti, uma vez que você tenta poupá-lo, com certeza ouvirá histórias na escola que você tentou preservá-lo de ouvir
A mídia, infelizmente, colabora e compactua com toda essa degradação.
Mas essa mesma sociedade hipócrita não aceita a moça, que trabalha vestida em calça comprida, dignamente em uma mercearia durante o dia, e resolve ir à universidade com minissaia( que por sinal, nem era tão curta ).

A universidade tem culpa nessa história?
A exposição danosa que essa moça sofreu têm preço?
Qual será o primeiro programa de TV que armará o circo para entrevistá-la?

Enfim, como disse o Marquês de Maricá,
"A intolerância irracional de muitos escusa ou justifica a hipocrisia ou dissimulação de alguns."

Comentários

AMIGO, POR SER ALHEIO AO MEU CONHECIMENTO VOU DEIXAR O MEU COMENTÁRIO PARA QUEM DE DIREITO E QUE O CONHEÇA BEM DE PERTO. MAS NÃO DEIXAREI DE CERTEZA, DE VIR SEMPRE AQUI, PARA LHE DEIXAR SEMPRE O MEU BEIJINHO DE LUZ, PARA SI
UM GRANDE BEM-AJA
Amigo me desculpe, mas fui roubar a sua rosa e fiz uma dedicatória a uma grande amiga também brasileira amiga que eu tanto adporo.
Espero que não fique triste comigo tá beijinhos de luz para o meu amigo.
angel disse…
Infelizmente a sociedade é hipócrita e a mídia ajuda a torná-la burra.
A tão falada dualidade existe para tudo. Tudo tem a sua contrapartida: bem e mal, verdade e mentira, sabedoria e ignorância...
A mídia é a grande responsável pela difusão daquilo que poderíamos chamar de cultura de massa mas acabou foi massificando a cultura e reduziu-a a mero espetáculo circense onde o próprio ser humano é a besta-fera apresentada para delírio de gladiadores prontos a execrar por qualquer motivo, mesmo que banal. Pessoas que não tem idéia formada, que acham que devem fazer tudo para tornarem-se parecidos aos demais, para serem aceitos, são personagens deste teatro onde um dia fazem o papel de protagonistas outro de antagonistas.
Quem vai entender a cabeça do "ser humano".
Adorei seu blog e seus artigos.
Voltarei mais vezes, adoro aprender.
Vi que é amigo de Graciete, minha amiga querida.
Abraço
angel
ana bessa disse…
Obrigado, pela visita e pelo comentario no Jardim Fascinante...Um abraço

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto