Pular para o conteúdo principal

Horizonte comodista



João trabalhava em uma empresa há muitos anos. Funcionário sério, dedicado, cumpridor de suas obrigações e, por isso mesmo, já com seus 20 anos de casa.
Um belo dia, ele procura o dono da empresa para fazer uma reclamação:
-- Patrão, tenho trabalhado durante estes 20 anos em sua empresa com toda a dedicação, só que me sinto um tanto injustiçado.
O Juca,que está conosco há somente três anos, está ganhando mais do que eu.
O patrão escutou atentamente e disse:
-- João, foi muito bom você vir aqui.
Antes de tocarmos nesse assunto, tenho um problema para resolver e gostaria da sua ajuda.
Estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoço.
Aqui na esquina tem uma quitanda. Por favor, vá até lá e verifique se eles têm abacaxi.
João, meio sem jeito, saiu da sala e foi cumprir a missão.
Em cinco minutos estava de volta.
-- E aí, João?
-- Verifiquei como o senhor mandou. O moço tem abacaxi.
-- E quanto custa?
-- Isso eu não perguntei, não.
-- Eles têm quantidade suficiente para atender a todos os funcionários?
-- Também não perguntei isso, não.
-- Há alguma outra fruta que possa substituir o abacaxi?
-- Não sei, não...
-- Muito bem, João. Sente-se ali naquela cadeira e me aguarde um pouco.
O patrão pegou o telefone e mandou chamar o Juca. Deu a ele a mesma orientação que dera a João:
-- Juca, estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoço. Aqui na esquina tem uma quitanda.
Vá até lá e verifique se eles têm abacaxi, por favor.
Em oito minutos o Juca voltou.
-- E então? - indagou o patrão.
-- Eles têm abacaxi, sim, e em quantidade suficiente para todo o nosso pessoal; e se o senhor preferir, tem também laranja, banana e mamão. O abacaxi é vendido a R$1,50 cada; a banana e o mamão a R$1,00 o quilo; o melão R$ 1,20 a unidade e a laranja a R$ 20,00 o cento, já descascado. Mas como eu disse que a compra seria em grande quantidade, eles darão um desconto de 15%. Aí aproveitei e já deixei reservado. Conforme o senhor decidir, volto lá e confirmo - explicou Juca.
Agradecendo as informações,o patrão dispensou-o.
Voltou-se para o João, que permanecia sentado ao lado, e perguntou-lhe:
-- João, o que foi mesmo que você estava me dizendo?
-- Nada sério, não, patrão. Esqueça. Com licença.
E o João deixou a sala...

Tem muita gente assim -- Acomodada, que não faz absolutamente nada além do que foi estritamente pedido ou solicitado. São pessoas que acham "que já fazem demais" e sentem-se os eternos injustiçados.
Não se restrinja, não se limite, amplie seus horizontes. Não viva reclamando. Só assim você vai se destacar e ter sucesso na sua vida profissional e pessoal.

Comentários

Anônimo disse…
Sim, as pessoas que reclamam são justamente aquelas que teem menos conciências das coisas.
Grande abraço.
Norma Villares disse…
Excelente texto, já conhecia. Uma lição de moral. Devemos fazer e trabalhar o bem, o certo, e correto sempre.
Estou levando essa linda rosa.
abraços
Jorge disse…
Grande amigo,

Muito bom. Nós reclamamos, exigimos sem nos observarmos como estamos agindo. Queremos tudo para nós, sem nosso esforço, e nos achando que o que fazemos já está muito bom e merecemos admiração, entre outras coisas.Acredito que o mundo seria diferente se ousássemos em realizar além do que acreditamos possamos fazer.

Amigo, Um ótimo fim de semana!!
Julimar Murat disse…
Oi amigo

O comodismo nos leva a uma vida medíocre nos colocando numa zona de conformismo e impedindo de caminhar em busca de novos ideais, é necessário despertarmos a uma nova realidade com novas atitudes.

Um grande abraço
Julimar
angela disse…
Não perca a viagem! Aproveite tudo o que puder.
abraços
Unknown disse…
Muito legal, em todas as situações, fazer sempre mais do que o esperado é surpreender positivamente.
Achei teu blog lá no blog do Jorge e gostei muito.
Abraço
Cada poste cada aprendizagem, eu diria que cada dia mesmo tendo a idade que já tenho, vale apena vir aqui pois aqui o tempo é sempre bem empregue.
Porque já alguém um dia disse aprender até morrer.
Beijos de luz em seu coração
Jorge disse…
Meu amigo

Tem um selo prá você no meu blog.
Quando puder, passa lá, tá bom?

Um abraço

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto