Pular para o conteúdo principal

Borboletas que voaram...



No século XI, exatamente entre 1024 e 1033 D.C., em Cluny, França,  instituiu-se a comemoração dos mortos em 2 de Novembro, estabelecendo a ligação deste dia ao chamado dia de todos os os santos. O dia de todos os santos foi criado pela Igreja Católica Romana em 835 D.C. e comemorado no dia 1 de novembro em honra dos mortos, mas foi o abade beneditiano Odílio (962-1049 D.C.), de Cluny, que modificou e substituiu o tal dia de finados, que seria um dia reservado às orações pelas almas no purgatório. O dia de finados começou a ser aceito por Roma em 998 D.C., juntamente com a celebração do dia de todas as almas, e foi oficializado no início do século XI, sendo cristalizado já no século XX.
A festa dos espíritos era celebrada pelos celtas em 1 de Novembro. Nessa data os celtas ofereciam sacrifícios para libertar os espíritos que eram aprisionados por Samhain, o príncipe das trevas. O império romano também absorveu o dia de pomona, dos gauleses, transformando as duas festas numa só. Posteriormente, a Igreja Católica Romana tomou a data para celebração do dia de todas as almas, absorvendo as comemorações "pagãs".

Obviamente, as mais variadas crenças religiosas têm sua visão e maneira de pensar sobre a morte e essa data dedicada aos mortos.

Não é, porém, indispensável comparecer ao cemitério para homenagear o ente querido que partiu. A visita ao túmulo é um modo de manifestar que se pensa a respeito do espírito ausente – serve de imagem, mas é a prece que santifica o ato de lembrar, pouco importando o lugar, se ela é ditada pelo coração.
Acima de tudo, mais importante nessa data é fortalecer o pensamento de que não estamos aqui a passeio. 

Por quais valores devemos nos pautar?
Como devemos viver? 
Qual a melhor bússola a nos guiar?

Somos espíritos imortais, rumando à perfeição, tentando aprender e evoluir dia-a-dia, construindo passo a passo nossa estrada redentora de autoiluminação.

Comentários

Unknown disse…
Gostei mais uma vez da sua postagem, são sempre lições de que vamos sempre tirando proveito. E nos enriquece a nossa cultura.
Mas vou deixar aqui uma graça que eu conheço desde miúda, só mesmo por graça.
Havia um homem, que ficou a dever dinheiro a outro, e quando o sujeito lhe foi para cobrar a divida ele disse: eu só lhe pago no dia de S. nunca á tarde. Então quando chegou o dia de todos os Santos o credor lhe apareceu e disse: é hoje que me pagas é dia de todos os Santos, também cá está o S. Nunca.
Tenha uma boa noite, e receba o meu beijinho de luz em seu coração
Olá,

Obrigado pelo comentário! Gostei dos esclarecimentos sobre o dia de finados!
Como sempre digo aos amigos dos blogs, sempre fico satisfeito quando encontro boas fontes de aprendizado.

Abraços,

Fernando.
Rosani disse…
Olá! Fernando

Eu nas minhas andanças pelos blogs, cheguei até aqui...fiquei encantanda com as suas postagens...exaltando beleza da vida, da alegria e da fé.
Parabéns

beijos,

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto