Pular para o conteúdo principal

TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO



“Minha mão está suja. Preciso cortá-la. Não adianta lavar. A água está podre. Nem ensaboar. O sabão é ruim. A mão está suja, suja há muitos anos.....Ai, quantas noites no fundo da casa lavei essa mão, poli-a, escovei-a... ..”(DRUMMOND – A Mão Suja).

Algum tipo de “mania” a maioria de nós tem. Algumas podem ser até engraçadas. Os costumes e hábitos cotidianos muitas vezes tornam-se rituais tão automatizados, repetidos inconscientemente, que nem ao menos nos damos conta. Entretanto, quando você sente-se impelido (diria praticamente forçado) em qualquer lugar que esteja, a ter comportamentos, muitas vezes extravagantes, repetidas vezes, acompanhados de pensamentos contra os quais não consegue lutar, que não saem de sua mente, podemos estar diante de uma doença chamada Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Pensamentos Obsessivos são idéias ou imagens desagradáveis que aparecem de maneira repetitiva e que a você não consegue se livrar. São idéias “entronas”, que geram sofrimento, medo e angústia por não se conseguir tirá-las de si. Por sua vez, as Compulsões são padrões de comportamentos repetitivos, em geral “bobos”, impossíveis de se evitar, mesmo achando um absurdo. Há casos em que a pessoa ou alguém próximo tem que contar até determinado número (7; 33; 100) “para evitar um acontecimento”. Em outras situações verifica incansavelmente se deixou portas e janelas fechadas, se o fogão ou ferro de passar roupa estão desligados. Mesmo tendo constatado o fato, volta a fazer, ou repete várias vezes. Em outros casos, são comuns vários banhos ao dia ou lavar as mãos frequentemente (até mesmo com álcool) devido a pensamentos obsessivos de contaminação. Há o medo de sofrer de alguma doença contagiosa, ou de qualquer outra doença. E embora possa pensar o quão absurdo possam ser seus medos, não consegue deixar de se comportar de tal maneira, pois é algo mais forte que você. Os primeiros sintomas costumam aparecer na adolescência (20% podem iniciar na infância) e início da idade adulta (60% dos casos antes dos 25 anos), sendo ligeiramente mais freqüente em mulheres. Acomete em torno de 2 a 3% da população mundial. As causas de TOC são ainda desconhecidas, acreditando-se ser decorrente da combinação entre fatores genéticos, ambiente externo, situações de estresse e personalidade. Por essa complexidade, o tratamento deve ser feito através de medicamentos, dentre os quais antidepressivos, que podem corrigir o desequilíbrio neuroquímico cerebral e a psicoterapia atuando sobre os pensamentos distorcidos. É importante ressaltar que nem todos os nossos hábitos, costumes ou “manias” devam ser considerados como doença, pois só podemos falar em TOC, quando essas “manias” geram sofrimento e mal-estar, atrapalham a rotina da pessoa e de quem está próximo (em casa ou no trabalho). O maior problema, geralmente, é que o portador do TOC só procura ajuda, no momento em que a doença incomoda demais. Não assume facilmente o transtorno, deixando que a situação chegue ou ultrapasse os limites. Não é incomum ouvir: “mas eu só sou organizado, mas eu só consigo fazer assim...”, não vendo doença em seus atos.


Vale conferir o filme: “Melhor é impossível”

Comentários

Anônimo disse…
Muito bom.
Obrigada pela visita ao meu blog. É sempre gostoso qdo alguém passar por la e faz um comentário, mais gostoso ainda qdo resolve ficar por la.
Tb gostei mto do seu e estarei por aqui direto.
Abraço
Unknown disse…
Blog muito bom mesmo!
Anônimo disse…
Tive a audácia de copiar uma frase sua e colocá-la em meu blog.
Dê uma olhada la, caso não queira me avise e eu a retiro.
Abraço
Amigo, eu penso que nem eu nem algum familar meu sofra desse sintoma, mas é sempre bom termos quem nos vá espelicando estes casos.
Pois é muito gratificante ler os seus escritos, e gratificantes também são as suas palavras de amabilidade que amigo sempre encontra para nos presentear.
Obrigado pela sua amizade deixo-lhe um beijo de luz em seu coração.
:) disse…
Sei bem o que é este transtorno.

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto