Pular para o conteúdo principal

Obscuro da Alma



"Obscuro
No escuro íntimo
Seu maior inimigo
Você

 
Aquele que sabe tudo
Aquele que te denuncia
Aquele que te acusa
Aquele que te satisfaz os desejos

 
Você
Alma encarcerada nesta carcaça
Alma aprendiz
Aprendes?

 
Luta em confusões
De sentimentos
De emoções
E vive a tormenta

 
Quem sabe
Um dia te reconhecerás
E soltarás as amarras
Dessa veste chamada corpo
"



Comentários

Anônimo disse…
Também acho que nosso maior inimigo somos nós mesmos.
Abraço
Unknown disse…
Ola meu amigo Parabéns... Muito profético este post...

Obrigado pelo carinho e as sabias palavras deixadas em meu blog...

Um abração

Gilberto Queiroz
Jorge disse…
Ainda precisamos do corpo para o nosso crescimento. As amarras que nos une ao físico, depende do nosso saber, compreender e viver o Amor.


Abraços,

Jorge
:) disse…
Grande verdade. Nós sabemos tudo... sobre nós... e essa consciência pesa.
Há meu amigo mui querido, quanta felicidade eu encontro no fim de tão grande Oceano. Que nos separa eu lhe digo meu amigo só desse lado eu tenho amigos com um A do tamanho do A maior do mundo o A do Amor e amizade.
Para si o meu eterno carinho e bem-aja sempre por toda a vida e mais além.
Beijos de luz em seu coração
MEU AMIGO TENHO NOS MEUS LAMENTOS UM SELINHO DEDICADO A SI GOSTARIA QUE O LEVA-SE SE GOSTAR DELE.
É O PRIMEIRO A CONTAR DE CIMA.
ACHO QUE SE IDENTIFICA CONSIGO
OBRIGADO PELO CARINHO.
Psiq. Desmistificado, sábias palavras em formato de poema! Enquanto a integração interna não ocorre, a real comunhão não é estabelecida. Assim nossos lados desconhecidos ou rejeitados, tornam-se nossos inimigos, sem que ao menos saibamos. Parabéns! Abraços.
CICL disse…
Um abraço também para este blogue. Gostei de passar por cá.
Até breve
Julimar Murat disse…
Muito obrigada pela sua visita e seu comentário.
Achei seu blog muito interessante e passo a segui-lo
Um grande abraço

Julimar

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto