Pular para o conteúdo principal

A Força do Amor



Uma garotinha esperta de apenas seis anos de idade, ouviu seus pais
conversando sobre seu irmãozinho mais novo.

Tudo que ela sabia era que o menino estava muito doente e que estavam
completamente sem dinheiro.

Iriam se mudar para um apartamento num subúrbio, no próximo mês,
porque seu pai não tinha recursos para pagar as contas do médico e o
aluguel do apartamento.

Somente uma intervenção cirúrgica muito cara poderia salvar o garoto,
e não havia ninguém que pudesse emprestar-lhes dinheiro.

A menina ouviu seu pai dizer a sua mãe chorosa, com um sussurroAlinhar ao centro
desesperado: somente um milagre poderá salvá-lo.

Ela foi ao seu quarto e puxou o vidro de gelatina de seu esconderijo,
no armário.

Despejou todo o dinheiro que tinha no chão e contou-o cuidadosamente,
três vezes.

O total tinha que estar exato.

Não havia margem de erro.

Colocou as moedas de volta no vidro com cuidado e fechou a tampa.

Saiu devagarzinho pela porta dos fundos e andou cinco quarteirões até
chegar à farmácia.

Esperou pacientemente que o farmacêutico a visse e lhe desse atenção,
mas ele estava muito ocupado no momento.

Ela, então, esfregou os pés no chão para fazer barulho, e nada !

Limpou a garganta com o som mais alto que pôde, mas nem assim foi
notada.

Por fim, pegou uma moeda e bateu no vidro da porta.

Finalmente foi atendida !

-- O que você quer ? perguntou o farmacêutico com voz aborrecida.

-- estou conversando com meu irmão que chegou de Chicago e que não vejo
há séculos, disse ele sem esperar resposta.

-- Bem, eu quero lhe falar sobre meu irmão, respondeu a menina no mesmo
tom aborrecido.

-- Ele está realmente doente... E eu quero comprar um milagre.

-- Como ?, balbuciou o farmacêutico admirado.

-- Ele se chama Andrew e está com alguma coisa muito ruim crescendo
dentro de sua cabeça e papai disse que só um milagre poderá salvá-lo.
E é por isso que eu estou aqui. Então, quanto custa um milagre ?

-- Não vendemos milagres aqui, garotinha. Desculpe, mas não posso
ajudá-la, respondeu o farmacêutico, com um tom mais suave.

-- Escute, eu tenho o dinheiro para pagar. Se não for suficiente,
conseguirei o resto. Por favor, diga-me quanto custa, insistiu a
pequena.

O irmão do farmacêutico era um homem gentil. Deu um passo à frente e
perguntou à garota : que tipo de milagre seu irmão precisa ?

-- Não sei, respondeu ela, levantando os olhos para ele. Só sei que ele
está muito mal e mamãe diz que precisa ser operado. Como papai não pode
pagar, quero usar meu dinheiro.

-- Quanto você tem, perguntou o homem de Chicago. Um dólar e onze
centavos, respondeu a menina num sussurro.

-- É tudo que tenho, mas posso conseguir mais se for preciso.

-- Puxa, que coincidência, sorriu o homem. Um dólar e onze centavos !

Exatamente o preço de um milagre para irmãozinhos.

O homem pegou o dinheiro com uma mão e, dando a outra mão à menina,
disse :

-- Leve-me até sua casa. Quero ver seu irmão e conhecer seus pais. Quero
ver se tenho o tipo de milagre que você precisa.

Aquele senhor gentil era um cirurgião, especializado em Neurocirurgia.

A operação foi feita com sucesso e sem custos.

Alguns meses depois Andrew estava em casa novamente, recuperado.

A mãe e pai comentavam alegremente sobre a seqüência de acontecimentos
ocorridos.

-- A cirurgia, murmurou a mãe, foi um milagre real.

Gostaria de saber quanto custou!

A menina sorriu.

Ela sabia exatamente quanto custa um milagre...

Um dólar e onze centavos... Mais a fé de uma garotinha...

Não há situação, por pior que seja, que resista ao milagre do amor.

Quando o amor entra em ação, tudo vence e tudo acalma.

Onde o amor se apresenta, foge a dor, se afasta o sofrimento e o
egoísmo bate em retirada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto