Pular para o conteúdo principal

Escolhas da vida



Suponha que lhe aconteceu, o que me aconteceu. Recebi da Espanha um chaveiro de metal.
Já era importante por ser um presente.
Percebendo o peso e a cor, conclui sem pestanejar: É de prata!
Feliz da vida coloquei nele as chaves do meu carro e passei a desfrutar da pequena jóia.
Acresce que, além do lado liso e brilhante, o outro lado trazia um baixo relevo, que a tornava verdadeira obra de arte.
O prazer com que passei a usá-lo está na origem do que vim a sentir, meses depois.
Certa manhã fui pegar o chaveirinho de prata na garagem do meu prédio.
Sabe, a necessidade de manobras... E foi então que recebi o choque..
Custei a me recuperar.
Não havia sido roubado, não! Talvez tenha sido pior.
A parte de trás estava inexplicavelmente des-cas-ca-da!
O amarelo vivo do latão, metal amarelo, acusava uma decepção.
O desapontamento tomou conta de mim.
Fiquei paralisado por alguns momentos.
Aí olhei o lado da frente.
Estava em ordem.
Tive, então, um estalo.
Olhar o lado descascado me causava desprazer, mas eu podia olhar o da frente e continuar gostando dele.
A escolha era minha.
Eu era responsável por me sentir bem ou me sentir mal.
Já que os dois lados eram reais, seria tão honesto preferir olhar mais um lado a outro.
Eu não estaria mentindo para mim mesmo, se preferisse olhar o lado bem conservado; e me tornaria responsável por me sentir bem.
Comecei a perceber, então, que todas as coisas da vida têm dois lados.
Um lado sombrio, desagradável, penoso.
E outro, claro, luminoso, colorido.
Podia assim escolher, para vantagem minha, o lado que me conservaria sempre no melhor astral.
Por exemplo, o fato de ter furado o pneu do carro, coisa desagradável, é o lado sombrio; mas, pensando bem, isso só acontece com que tem carro. É o lado luminoso e colorido do mesmíssimo fato.
Você pode se dar ao luxo de ter de trocar o pneu de seu carro de vez em quando, pois, em contrapartida, ele lhe dá prazer e lhe presta serviço no resto do tempo.
Outro exemplo.
Uma chuva inesperada impede você e sua família de saírem para um piquenique, como haviam planejado. É o lado sombrio.
Mas, em compensação, você poderá ter tempo em casa, finalmente, para arrumar aquela torneira pingando ou para assistir a um filme, há muito esperado, no seu vídeo-cassete.
Pode ser o lado luminoso.
Ou, ainda, alguém sofre um pequeno acidente ou contrai uma febre, ficando obrigado a ficar de cama. É o lado sombrio.
O lado luminoso, e quantas vezes acontecido, pode ser a experiência de repensar a vida; ou a de cair na conta finalmente de quanto é estimado e visitado pelos parentes e amigos, apesar de ter tido dúvidas, até então.
Um último exemplo.
Seu patrão lhe chama a atenção com freqüência, seus colegas de trabalho costumam ser competitivos e pouco amigos. É o lado sombrio.
Você não se vai acomodar, é claro.
Vai tomar providências cabíveis para que a situação melhore.
Mas, por outro lado, você tem emprego, o que não é para se minimizar.
Quantos gostariam de ter um.
Você poderia objetar em primeiro lugar: Mas, esse não é o jogo da Polyanna?
Não é o mesmo que mentir para si mesmo e fazer de conta, como quem esconde o sol com a peneira?
Desde o início pode ter ficado claro que olhar qualquer dos lados é honesto, e que você é responsável pelo lado que prefere fixar.
Olhando o lado bonito da vida, não está escondendo nada, apenas está preferindo ser feliz. Qual é o mal?
Você ainda poderia dizer: Mas isso é tão difícil!
Será que alguém consegue pensar assim? Eu lhe garanto que é possível.
Vamos concordar também que é difícil. Ora!
O que não é difícil, quando enfrentado pela primeira vez?
Digitar numa máquina de escrever, dirigir um carro, aprender língua estrangeira, escrever corretamente o português, fazer tricô e qualquer outra coisa no mundo.
Entretanto, seja o que for, você consegue dominar, com duas condições: ter a receita correta e treinar com perseverança.
Então, você também pode descobrir o lado colorido e mais real da sua vida.
Nada o impede.


Colaboração: Renato A. O.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto