Pular para o conteúdo principal

Em busca da essência

Compreender a Alma humana é das coisas mais difícieis que se pode tentar. Mas é maravilhoso aventurar-se nestes caminhos.
Quando falamos em Alma devemos pensar automaticamente em Sentimentos. Não há como desatrelar as duas coisas. É o que está em nossa essência.
Sendo os sentimentos uma manifestação subjetiva surge aí a dificuldade de compreensão dos fatos. Então, naturalmente, surgem auto-questionamentos, dúvidas e dificuldades de aceitação.
Todos adoecemos, ou estamos sujeitos. Não somos máquinas infalíveis.
Podemos sofrer de micoses, artroses, artrites, gastrites. Quem sabe problemas no fígado, pâncreas e rins. Ou ainda, bronquite, hipertensão arterial, diabetes, enfim, do corpo, males em geral.Então, porque seria justamente o nosso cérebro um órgão privilegiado?? Antes fosse, assim não existiria um Mal de Parkinson, Alzheimer ou tantos outros quadros que tornam o indivíduo demenciado. Epilepsias, AVCs, Coréias e outras doenças neurológicas, enfim, acometem o indivíduo, causando sofrimento e sem possibilidades de se questionar tratamento.
Enfim, surge o lado cruel. Adoece-se na alma. Os sentimentos tornam-se confusos. Surgem emoções que nos aprisionam.
Sofremos?? Sem dúvida!! Talvez, ou, com certeza, na mente adoecer, não traz paralelos de sofrimento.
Mas, então, reflitamos como devemos cuidar de nosso corpo e mente.

Não tenha medos ou receios. Procure esclarecer o que se passa. Se não hover empatia pelo primeiro profissional, o que é normal, ouça a opinião de outro.
Mais importante do que rotulações é o tratamento, medicamentoso e/ou psicoterápico, não tenha dúvidas desse seguimento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto