Pular para o conteúdo principal

Padrões pré-estabelecidos

Desde muito cedo a maioria de nós é ensinado a seguir um "bom padrão" de comportamento humano.
Muitas vezes, o modelo padrão escolhido é o de nossos pais, avós, alguém de sucesso financeiro ou intelectual, ou, ainda, um ícone religioso como Cristo, Buda ou Gandhi.
Acredito que isso também ocorreu com você não é mesmo?
Se por um lado, há o nosso desejo mais secreto de corresponder às expectativas alheias, principalmente àquelas de quem amamos, precisando nos sentir aceitos em nosso meio, há um fator de desequilíbrio nessa balança: o que você quer para você mesmo?
Perseguir um modelo padrão pode ser uma idéia atrativa. Uma vez que deu certo com ele dará com você. Pensamento simplista para uma questão complexa. Sua vida não é a vida de mais ninguém. Sua história é escrita por você a partir de suas próprias experiências, de suas atitudes e omissões.
Com um bom modelo teremos sempre o que aprender. Atitudes também podem ser aprendidas. Certo? Mas, atender expectativas definitivamente não é uma boa idéia, a menos que sejam as suas próprias, pois haverá a grande possibilidade de você tornar-se um indivíduo frustrado e infeliz.
Já parou para pensar no que você gosta, e no que gostaria de fazer a maior parte do seu tempo de vida?
Será que você, com suas vocações naturais, se adaptaria a uma vida celibatária e vegetariana como a que viveu Gandhi?
E que tal a vida insône de Henri Ford?
Alguns, mesmo com modelos prontos da "vida perfeita", preferiram arriscar-se por novos caminhos e conseguiram criar um novo modelo, saindo da "mesmice".
Será que você se dispõe a isso: a viver sua própria vida?
Ou vai escolher brigar com sua própria natureza, seus desejos e anseios, buscando seguir um padrão para o qual não foi talhado?
Que tal parar para um bate-papo com os seus botões?
Meu avô dizia que o nosso melhor conselheiro é o travesseiro e nossos melhores ouvintes os botões. Pare e escute de você mesmo o que acha de sua vida, e o que gostaria de fazer dela. Que experiências você quer ter enquanto viver. Pergunte, mas dê um tempo para que você, internamente, pense sobre suas questões de importância vital, e possa descobrir respostas para elas. Não vai ficar no seu pé dia e noite em busca de uma solução, porque auto-cobrança é um veneno para a quietude da alma. Pergunta e descansa. Esvazie sua mente. Não se preocupe, por um tempo, nem com o que já passou e muito menos com o que nem ocorreu ainda. Deixe tudo quieto, por um tempo apenas. Aprende a disciplinar sua mente enquanto espera a resposta.
A resposta virá. E você só a ouvirá se sua mente estiver calma, sem constantes diálogos internos e vãs filosofias. E nesse momento você saberá o que fazer em sua vida e como fazer.
Quando isso ocorrer, você não terá apenas ouvido a si próprio, mas terá realizado o seu primeiro milagre.

Tudo acontece, o tempo todo. Faça as coisas acontecerem para você também. Gire a roda do destino a seu favor.
Você consegue.

Comentários

monidibb disse…
Olá, colega

Não nos conhecemos a fundo.Tememos ir além de nossa imagem socialmente construída.Por isso, tantas dores da alma que muitos de nossos colegas médicos insistem em anestesiar.

Abs!

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto