Pular para o conteúdo principal

Drogas - retomando o assunto

Acontece assim. Sua filha, menor de idade, lhe diz que vai dormir na casa de uma amiga porque tem que estudar ou então porque vão para o aniversário de outra amiga. Algo assim, bem tranqüilo e dito de forma bem natural pra você não se preocupar. Mas, na verdade, ela vai é para a boate dançar, beber, beijar, ficar, talvez um “sexozinho” rápido... E você sabe que boates são proibidas pra menores. E que não se pode servir-lhes bebida alcoólica. No entanto, é isso que sua filha vai fazer. Por isso precisa mentir. Na maioria das vezes a aventura que começa com a mentirinha termina sem maiores conseqüências. Todas as semanas milhões de adolescentes fazem isso. O problema é que às vezes um dos amigos ou uma das amigas bebeu demais. E ele ou ela é quem dirige o carro. E pronto: no outro dia sua filha entra para as estatísticas das mortes envolvendo álcool e direção. Uma desgraça. Sempre que ocorre um caso mais impactante, ou seja, “depois que Inês é morta”, começam as providências: fiscalizar bares, reprimir ambulantes, blitz na madrugada... De fato, é preciso fiscalizar e punir. Mas bem mais eficaz e barato é educar. Educar certo – porque educação careta nunca vai resolver. Temos que ser francos com nossos filhos e, principalmente, com nós mesmos. Não adianta dizer a ninguém, principalmente ao adolescente, para não usar droga, legal ou ilegal. Adolescente precisa muito da auto-afirmação e é rebelde por natureza, precisa mostrar ao seu “grupinho” que é capaz e faz parte da turma, precisa rebelar-se contra os pais e contra a sociedade e, sendo assim, a droga vai surgir em seu caminho como ferramenta para seus anseios. O problema então não é se seu filho vai usar droga, mas como ele vai conhecê-la. É a relação com a droga, qualquer droga, que determina se há ou não problemas e não exatamente o mero fato de usá-las. É fato que qualquer tipo de proibição aguça ainda mais a curiosidade e traz o excitante sabor do proibido. Só há uma saída: informar honestamente, sem moralismos nem preconceitos. - A gente sabe que a droga existe e sempre vai existir. Se você ou seus amigos usam ou vão usar, então a gente quer que você saiba exatamente o que acontece. Difícil dizer isso a seu filho ou sua filha, não é mesmo? Difícil até imaginar que eles estejam por aí se drogando, legal ou ilegalmente. Mas é exatamente o que muitos pais agora desejariam ter dito para seus filhos e infelizmente não quiseram dizer. Ou não tiveram tempo.




Veja que texto interessante escrito por uma ex-dependente química:

“Droga, substância mal-cheirosa
Que desanima qualquer família criteriosa
Destrói o espírito da pessoa formosa
Corrompe paradigmas de uma forma tortuosa
Tal ponto se mata, se rouba, se destrói
Para o carnal ficar “legal”
Chega de hipocrisia, se é por luta que se passa....
Para que a fantasia?
Achar que o bagulho alivia?
Alerta!!!
Você pode estar achando “mó viagem”
Mas viagem é ser careta e ter liberdade
Chega de comiseração, é necessário ação
Pare e pense no abismo que você pode estar ou chegar
Não seja consumido, mas dê ouvidos a essas palavras que são de uma ex-dependente química
Que está liberta!!!”

“ dinheiro não compra afeto, mas compra bagulho”

Taisa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto