Pular para o conteúdo principal

Depende de sua janela !


Um casal, recém-casado, mudou-se para um bairro muito tranqüilo.
Na primeira manhã dentro de sua nova casa, enquanto tomavam café, a mulher reparou atráves da janela, uma vizinha que pendurava lençóis no varal e comentou com o marido:
Que lençóis sujos ela está pendurando no varal!
Está precisando de um sabão novo. Se eu tivesse intimidade perguntaria se ela quer que eu a ensine a lavar as roupas!
O marido observou calado.
Alguns dias depois, novamente durante o café da manhã, a vizinha pendurava lençóis no varal e a mulher, dona de si, comentou com o marido:
Nossa vizinha continua pendurando os lençóis sujos! Que porca, não sabe cuidar de suas coisas. Acho que terei que ensiná-la a lavar as roupas!
E assim, todo dia, infalivelmente, a mulher repetia seu discurso praguejante, gabando-se como a dona da verdade, enquanto a vizinha pendurava suas roupas no varal.
Passado um tempo a mulher se surpreendeu ao ver os lençóis muito brancos sendo estendidos, e empolgada foi dizer ao marido:
Veja, ela aprendeu a lavar as roupas. Será que outra vizinha ensinou??? Porque eu não fiz nada, só fiquei aqui olhando e maldizendo sua incapacidade.
O marido calmamente respondeu:
Não, hoje eu levantei mais cedo e lavei os vidros da nossa janela!
E assim é.

Tudo depende da janela através da qual observamos os fatos.

Comentários

Roniel A. Julio disse…
Amigo Psiquismo, esse texto que nos apresenta é um grande ensinamento para muita gente que vive observando a vida do outro, e deixa de observar a sua própria vida. Sensacional! Abraços. Roniel.
Sensacional texto amigo, como serve de lição para muitos por ai, show.
Abraços forte
franciete disse…
Amigo muito querido estou de volta, e trago na bagagem o meu abraço de amizade, e a minha presença em seu espaço.
Deixo aqui o meu beijinho de luz e paz.
Anônimo disse…
Excelente texto para nos fazer refletir sobre como vivemos julgando o próximo, sem ao menos procurarmos saber o que realmente está errado. Nossos olhos deveriam buscar sempre a perfeição e nunca os defeitos, que quase sempre, estão no nosso modo de olhar.

Beijocas
Anônimo disse…
Excelente, articulo de muita calidade. Julgar ao proximo, so fazen as pessoas que nao podem ocultar seus proprios problemas.
Gostei muito de teu blog.

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto