Pular para o conteúdo principal

Qual é sua máscara?

"Do mesmo modo que os atores põem uma máscara, para que a vergonha não se reflita nos seus rostos, assim entro eu no teatro do mundo - emascarado."





René Descartes




A máscara
A primeira máscara da qual se tem registro está gravada na caverna labirinto de Trois Feres, em Ariege, nos Pirineus, descoberta em 20 de julho de 1914. A imagem rupestre do feiticeiro barbudo, cujas pernas são humanas e braços de urso, como um xamã antropozoomórfico, usava uma máscara de cervo, presidindo um ritual de cura e caça, associado à fertilidade.
O termo máscara tem origem controversa, pois para alguns procede do italiano maschera. Originalmente estaria relacionada ao baixo latim mediterrâneo masca, significando “demônio, bruxa ou feiticeira”. Para outros o termo introduziu-se na Itália a partir de invasões árabes, sendo corruptela de mashara, significando “personagem bufão”, derivado do verbo sahir, que quer dizer “ridicularizar”.
A função religiosa, na África, por exemplo, presidindo cerimônias de cultivo e semeadura, assim como ritos iniciáticos e funerários, conservando o sentido primordial: homem que envergue a máscara do crocodilo é o espírito do crocodilo - a máscara manifesta a divindade e transmite ao portador todo o seu poder. Essas máscaras não representavam faces normais, mas sim exageradas. Normalmente era de madeira, cobre ou marfim. Estes aspectos foram-se esquecendo paulatinamente em outras culturas.












Quando passa para o teatro, foi o espírito sagaz, de senso estético do grego, o principal responsável pela primeira grande transformação no uso das máscaras, inovando o teatro. Faziam, assim, tragédia e comédia reavivando a mitologia.
Há muitas máscaras, tantas quantas as ocasiões e os destinos. Da máscara anti-gás à usada pelo apicultor, da máscara em fotografia à de simples adorno, da máscara de oxigênio à de beleza, o seu uso é muito extenso no tempo e

no espaço.






De fato, todos vestimos personas, em um processo de auto-conhecimento, no exercício de revelar nosso ego. Isto porque, forçosamente, para estabelecermos contato com o mundo exterior, personificamos o que nem sempre corresponde à nossa real essência. Sob esse prisma, a persona encarna a metáfora da fixidez da máscara do ator, que no decorrer de sua encenação, desenvolve o papel que lhe cabe. Sob a máscara tudo se oculta - o Bem e o Mal. A máscara intermedia as relações humanas, funcionando, até certo ponto, como mecanismo de defesa. Tanto usam máscara o Zorro e o Super-man, como os ladrões e os terroristas. Realmente, todos usamos máscaras. Sorrimos quando nos dão uma bofetada, choramos para obtermos o que pretendemos, mostramos os “nossos mísseis” para paralisar de medo o “inimigo”, A máscara é uma arma que pode ser usada para defesa ou ataque.

A máscara da nossa própria cara, a PERSONA é a que a vida em sociedade exige.
"Não sou nada, nunca serei nada, não posso querer ser nada.À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo (...)Quando quis tirar a máscara estava pegada à cara"
Fernando Pessoa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto