Pular para o conteúdo principal

ESQUIZOFRENIA

A esquizofrenia é uma doença mental grave, que se caracteriza por desordem profunda nos processos psíquicos, resultando em desfecho desfavorável. A doença geralmente evolui por surtos, isto é, existem períodos de exacerbação dos sintomas mórbidos e existem períodos de acalmia. Porém, mesmo remitido o surto agudo, no período intervalar o paciente continua apresentando desordens mentais, que se chamam defeito esquizofrênico, caracterizado por embotamento afetivo, ensimesmamento, falta de auto e de heterocritica, distúrbios de pensamento, que podem manifestar-se isoladamente ou em conjunto. Os surtos não têm freqüência constante. Podem ocorrer várias vezes ao ano ou uma só vez na vida (muito raro), mas se eles são irregulares quanto à freqüência, não o são quanto ao arranjo psicopatológico que engendram na mente do sofredor. São sempre graves, muitas vezes de difícil abordagem terapêutica, e quanto mais amiúde ocorrem, mais rapidamente levam o paciente ao comprometimento total das esferas psíquicas, à demência propriamente dita.
A esquizofrenia subdivide-se em formas clínicas. As clássicas são catatônica, paranóide, hebefrênica, simples e residual. A etiologia é múltipla, havendo fatores sócio-culturais, capazes de acelerar o aparecimento do mal, mas somente se o individuo for predisposto a tal, sendo essa predisposição genética, biológica.
Sendo assim, a respeito do examinando, com antecedentes pessoais e familiares psicóticos, apresenta ao exame embotamento da afetividade e do humor, endurecimento de raciocínio, desatenção, apatia, desinteresse por tudo, discurso pobre, abulia, episódios de ALIENAÇÃO MENTAL manifestos por delírios e alucinações. O quadro instalou-se ao longo dos anos, a partir da doença de base, ESQUIZOFRENIA, que nunca foi tratada com sucesso, haja vista as dificuldades e limites que a própria doença impõe.
Entenda-se que, hoje, com os avanços da medicina, a esquizofrenia tem tratamentos bastante satisfatórios, mas não cura. O paciente continua tendo um cérebro esquizofrênico, mesmo após remissão dos sintomas agudos psicóticos e embora possa haver a dita “cura social”, ou seja, a reintegração sócio-familiar”, não quer dizer, absolutamente, a restituição integral da capacidade mental. Importante ressaltar no caso do examinando, os momentos de Alienação mental, em que fica agressivo e exaltado, além dos anos que se passaram sem tratamento eficaz, resultando em um embotamento afetivo e um enfraquecimento psíquico, característica da esquizofrenia.
Portanto, a perícia conclui que o examinando não tem condições psíquicas para auto gerir-se, nem tampouco exercer qualquer tipo de atividade laborativa devido ao comprometimento residual da doença, em que pese o denominado “defeito esquizofrênico”, além dos riscos de um surto agudo psicótico em ambiente de trabalho. Deve, porém, fazer um tratamento psiquiátrico por toda a vida para evitar os sintomas psicóticos e atenuar os sintomas de empobrecimento cerebral.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto