Pular para o conteúdo principal

Consciência prisioneira

Nunca se assistiu a tanta violência na televisão como nos dias atuais. Não obstante a enormidade de tempo que crianças e adolescentes das várias classes sociais passam diante da TV, é lógico o interesse pelas conseqüências dessa exposição. Até que ponto a banalização de atos violentos, exibidos dentro dos lares, diariamente, dos desenhos animados aos programas de "mundo-cão", contribui para a escalada da violência urbana?
Inúmeros estudos demonstraram a existência de relações claras entre a exposição de crianças à violência exibida pela mídia e o desenvolvimento de comportamento agressivo.
Quanto acrescenta às nossas vidas e de nossos filhos a enxurrada de notícias sobre violência?
O que fazemos a respeito?
Somos prisioneiros? ....Onde está sua consciência?




"A prisão não são as grades, e a liberdade não é a rua; existem homens presos na rua e livres na prisão. É uma questão de consciência."

[Ghandi]

Comentários

Anônimo disse…
Gostei muito do seu blog e suas reflexões! São muito boas! Parabéns! Já estou seguindo!
BLOGZOOM disse…
Eu andei questionando o motivo de ver tanta violencia e tristeza na TV, mas é um retrato do que na verdade estamos vivendo, um mundo cada vez mais agressivo, competitivo, individualista, que fala sobre o amor e respeito e na verdade, pouco se faz.
Eu acompanho a tevê a um muito tempo de uns 10 anos para trás virou um lixo.. pouco conteúdo aproveitável, muita pornografia, sensualidade, valores distorcidos e claro violência gratuita.

Não quero colocar lentes que nublem nossa realidade, mas exigo que tem um pouco de qualidade. Está cada vez mais dificil, tenho evitado ver tevê aberta e migrando para a tv por assinatura e séries que façam rir.

Assim meu fígado não sofre tanto.

Abraço
*lua* disse…
Querido,
Há muito venho questionando um novo padrão saudável de família. Pois a antiga (pai, mãe, filhos) realmente ficou para trás, juntamente com o amor, educação, cidadania e tudo o que é necessário para nos tornarmos gente. Então hoje não vejo nada substituindo essas perdas, ou melhor dizendo, vejo, a televisão, um aparelho movido pelo capitalismo e podridão da civilização. Vc querido, saberia me dizer para onde nossa educação está caminhando? (digo, quem serão responsáveis por nossas crianças sem pais? a escola?) Beijo
Caro amigo

Hoje estou passando para agradecer
a sua amizade.
Amizade que torna a vida preciosa.
Que enche de cores as minhas palavras.
Que me faz ainda mais feliz,
com o afeto distribuído
a cada visita,
a cada comentário
e a cada palavra escrita
no livro dos meus dias.

Sua amizade me faz melhor.
gorettiguerreira disse…
Quanta emoção receber um comentário desse espaço.
É muito inteligente esse Blog. Um luxo.
Bjs de luz.
Goretti
Atena disse…
Já faz algum tempo que a violência se banalizou nos meios de comunicação, mas isso só vai mudar com a mudança de consciência das pessoas. A mídia exibe porque tem quem veja.
Para os que tem cabeça só resta não olhar e proibir os filhos de olhar também. É triste assim.
abçs
Regina Rozenbaum disse…
Vim agradecer sua visita e conhecer-lhe. Como não sei seu nome,vou chamá-lo(?)amigo como tantos outros, amados, que já pude ver, estão também aqui. Me sinto mais à vontade. Quanto à violência, é assunto looooongo e que, infelizmente, se tornou "usual", quase "normal". Mas penso também que, se cada um de nós, por pequenos que sejamos, fizermos um pouquinho... teremos um MUNDO MELHOR!
Beijuuss n.c.

www.toforatodentro.blogspot.com
Rike disse…
Olá!
Acho que isso acontece por um motivo: audiência! Hoje, faz-se tudo por ela. Mas também não podemos nos enganar, eles só passam porque quremos ver!
Qbrigado pela atenção lá no blog!
Abçs!
Rike.
Unknown disse…
Chegamos a um ponto que nos questionamos se é bom ou mau tanta informação, todos gostamos de saber noticias mas elas aparecem ficamos revoltados com tanta violência.
Se não sabemos somos ignorantes, se sabemos também não era preciso nos massacrarem com tudo isto, tudo isto faz parte da liberdade de expressão.
Beijinhos de luz e paz

Postagens mais visitadas deste blog

Velhos Tempos

Tudo muda.... Houve um tempo em que se pedia “a benção” aos pais quando se acordava pela manhã ou se deitava para dormir, assim como antes de sair de casa. Hoje os filhos nem sabem o que significa pedir “a benção”, Afinal mal falam bom dia ou boa noite. E para sair de casa nem precisam falar aonde vão. Um filho, nesse tempo, referia-se aos pais ou pessoas mais velhas como “Sr” e “Sra”. Hoje os filhos se referem aos pais ou pessoas mais velhas como “Você”, Afinal nem sabem o significado de um pronome de tratamento respeitoso. Houve um tempo que não se falava enquanto adultos estivessem falando. Hoje os filhos falam enquanto os pais se obrigam a ficar quietos, Afinal nem sabem o que é ouvir. Os filhos, certamente, compreendiam o olhar recriminador de seus pais. Hoje se um pai lança um olhar recriminador ao filho, Passará despercebido ou ouvirá: “que cara feia é essa, velho?” Houve um tempo em que um filho pedia, por favor, ou “eu posso?” Hoje um filho não pede, por favor, e

Vivemos esperando

Novamente estamos nos aproximando de mais um final de ano. É impressionante como o tempo está passando rápido. Diria mesmo que está "voando". Essa constatação nos faz refletir sobre aquele velho dito popular: "Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje". Seja feliz, não espere que amanhã seja melhor. Torne hoje seu dia o melhor. Não perca tempo com situações estressantes. Não dê atenção àquilo que bloqueia sua felicidade. Não crie dificuldades para sua felicidade. Ser feliz é muito fácil, mais fácil ainda é impedir que aconteça. O tempo passa e você vai viver esperando o que? Dias melhores

Legado de miséria

D. Cacilda é uma senhorinha octogenária, muito frágil e humilde, mãe de nove filhos. Conseguiu, sob todas as dificuldades, torná-los homens e mulheres adultos. E com sua sabedoria ensinou-lhes as coisas certas da vida e o que é bom ou ruim. Seus filhos, todos casados, com suas ocupações e trabalhos, vivem correndo. D. Cacilda tem também muitos netos, talvez mais de 30, dentre os quais muitos já adultos e até casados. Mas, infelizmente, apesar dessa família tão numerosa de D.Cacilda, não escapa a senhorinha à solidão. D. Cacilda já se faz viúva há alguns anos e vive solitária em sua casinha, a relembrar de seus longos e passados anos ao lado de seu amado e companheiro marido. Sua modesta casa sempre foi o lar acolhedor para qualquer pessoa. E nunca houve quem ali não se sentisse confortado. Mas a vida tem seu ciclo. D.Cacilda, já tão frágil caiu doente, de cama, totalmente debilitada e dependente. Os anos pesaram em seus ombros já bastante arqueados. Mas que bom, ela tem tanto